Desenvolvedores de aplicativos podem ler e-mails de usuários do Gmail

ESTADÃO/JN

Reportagem do Wall Street Journal mostra que programadores ainda tem acesso a informações como histórico de compras e troca de e-mails

O Google ainda permite que os desenvolvedores de software de dentro e fora da empresa leiam os e-mails de milhões de usuários do Gmail, disse uma reportagem Wall Street Journal. A notícia surge um ano depois que o Google confirmou que impediria que seus sistemas lessem e analisassem a caixa de entrada de seus serviços de e-mail.

Sundar Pichai é o presidente do Google

Segundo a reportagem, o Google tem políticas frouxas de monitoramento dos desenvolvedores que treinam seus sistemas lendo e-mails de usuários. Com acesso a leitura de e-mails dos usuários os desenvolvedores têm acesso a dados como histórico de compras, itinerários de viagens, registros financeiros e comunicações pessoais.

As informações são coletadas principalmente, diz a reportagem, quando usuários se inscrevem em aplicativos gratuitos usando um e-mail do Gmail.

É o caso da Retur Path, uma empresa que coleta dados para campanhas de marketing examinando a caixa de entrada de mais de 2 milhões de usuários. Nesse caso, diz o Wall Street Journal, os computadores analisam cerca de 100 milhões de e-mails por dia. Assim, em dois anos, os funcionários da empresa leram aproximadamente 8 mil e-mails para treinar o seu próprio software.

Google justifica que só fornece dados para desenvolvedores externos poucos e examinados e para quem recebeu permissão dos usuários para acessar e-mails. A empresa disse ainda que os próprios funcionários do Google só leem e-mails “em casos muito específicos” em que usuários dão consentimento ou para investigação de falhas no sistema ou de casos de abuso.

Impacto. O Gmail tem mais de 1,4 bilhões de usuários e é considerado o maior serviço de e-mails do mundo. A estimativa é que a empresa tenha dois terços de todos os usuários de e-mail ativos em todo mundo e o Gmail tenha mais usuários que os outros 25 maiores provedores de correio eletrônico do mundo.

A empresa já foi processada pelo menos três vezes por usuários. Os processos indicam que a empresa violou leis federais dos Estados Unidos de interceptação de informações no telefone. O Google justificou que nenhum humano lê e-mails para segmentar anúncios ou informações pessoais sem o consentimento dos usuários e ganhou uma das ações. Os outros dos processos foram arquivados.

Em 2014, a gigante de tecnologia disse que não iria mais verificar a caixa de entrada de usuários do Gmail. E em junho do ano passado, a empresa disse que não permitiria mais a varredura de e-mails para usar as informações em anúncios.

Comentários

comentários