Deputados denunciam falta de leitos, testes e EPIs para o combate do coronavírus

Durante a sessão ordinária desta quarta-feira (17), na Assembleia Legislativa, os deputados estaduais Barbosinha (DEM), Renato Câmara (MDB) e Evander Vendramini (PP) demonstraram novamente preocupação nas ações de combate à pandemia do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul.

Barbosinha foi o primeiro a falar, via videoconferência, sobre a situação em Dourados. Segundo ele apurou, o início do mês de maio as secretarias de Saúde, tanto estadual, quanto municipal, declararam à imprensa a existência de 48 leitos adultos e três infantis habilitados na cidade para o combate da doença. Hoje ele denunciou que só existem 28.

“Quando se habilita o leito recebe recursos. Seriam dez no Hospital Evangélico, 13 no Universitário da UFGD onde também estão mais três pediátricos, outros cinco no Hospital Santa Rita e mais 20 no Hospital da Vida, que agora não existem mais. Declararam que os do Hospital da Vida são para outros fins, que não a Covid-19. O quadro é preocupante. Volto a chamar a atenção à situação grave, que se não existir uma ação concatenada e com sintonia entre a administração de Dourados, Estado e o Governo Federal para encontrar alternativas, poderemos ter um colapso”, alertou o deputado.

Renato Câmara concordou e disse que além dos leitos para o tratamento, faltam Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os trabalhadores da linha de frente da saúde em Dourados, fato que teria sido denunciado pelo Conselho Municipal de Saúde. “Faltam máscaras, luvas e aventais. É grave. A gente fala muito de respiradores, mas esses EPIs são essenciais tanto para proteger o trabalhador, quanto quem procura o atendimento. Hoje existem vários médicos contaminados, agora você imagina os enfermeiros que estão lá na linha de frente dos postos de saúde. Em abril foram recebidos mais de R$ 1 milhão em recursos e até hoje não foram investidos. Não podemos omitir essa situação, não está tudo bem”, lamentou Câmara.

O deputado Evander Vendramini disse que a situação é grave em todo o Estado e deu o exemplo em Corumbá. “A mineradora Vale comprou testes para todos seus funcionários e detectou 40 deles com coronavírus. Se não houvesse essa ação, imagina essas pessoas circulando e transmitindo o vírus? É preciso seriedade dos gestores públicos. Corumbá recebeu mais de R$ 3 milhões, temos que ver esse dinheiro aplicado em prevenção, pois a preocupação da Organização Mundial da Saúde é justamente essa, de que não terá como tratar todo mundo, tem que prevenir”, ressaltou.

Barbosinha completou. “Em Dourados vejo rodas de narguilé e tereré. Festas como se não houvesse nada. As pessoas estão achando que é brincadeira, mas vai morrer muita gente se não houver a tomada de consciência, infelizmente”, finalizou o deputado.

Além das reivindicações em tribuna, os deputados também propuseram projetos de leis para ajudar no combate ao coronavírus. Saiba quais são no material especial feito pela Secretaria de Comunicação Institucional clicando aqui.