Deputado do PT quer investigação contra Governador de MS, mas ‘não fará como fizeram com Lula’

Lúcio Borges

O deputado estadual Amarildo Cruz (PT), falou na manhã desta segunda-feira (22) ao Página Brazil, que além dos escândalos criminais apontados e até comprovados em nível de Mato Grosso do Sul, a situação ‘piorou’ ante a atual crise política que assola o País, chegando em possível envolvimento de políticos do Estado, nos casos de corrupção ou no mínimo de irregularidades administrativas, apontadas ao atual governador Reinaldo Azambuja, como a seus antecessores Andre Puccinelli e Zeca do PT. Na semana passada pela delação premiada dos empresários irmãos Batistas do grupo JBS, o atual e antigos chefes do Executivo de MS, foram ‘denunciados’ em participação em esquema de propina envolvendo os governos e a empresa.

O parlamentar apontou em nosso vídeo, que quer investigação contra o governador Azambuja, como a todos, mas não irá fazer e não quer que se faça, como fizeram ou fazem com o seu correligionário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Cruz fala que se deve respeitar as Leis, ter a ‘novidade’ das delações premiadas, mas que não se fuja ou se desfaça os ritos de apresentação de provas e que seja dada todo o amplo direito de defesa ou no mínimo chamado contraditório.

“Espero que todos os envolvidos, venham a público já de imediato para dar satisfações a população, seja o atual, como os ex-governadores, pois foram votados e são cargos públicos, que devem se explicar a cada ato. Se as satisfações não forem suficientes, que se instale os processos necessários. Não podemos fazer as cosias de qualquer maneira. Temos que fazer tudo na ordem, respeito, se tem uma Constituição e as Leis que devem ser praticadas. Se há ou foi criado a pouco tempo, o instituo da delação premiada, tem que usa-la, mas não podemos se esquecer e passar por cima da produção e apresentação de provas, de decorrer o processo judicial”, disse o deputado.

A posição de Cruz, acima e as demais completas, estão no vídeo, onde ele também menciona que a AL-MS (Assembleia Legislativa de MS) tem seu poder, deve fazer as apurações necessárias, dentro de todas as suas prerrogativas e na forma de toda a Lei que se possuiu. “Espero que todos os envolvidos, venham a público já de imediato para dar satisfações a população, pois foram votados e devem se explicar a cada ato. Todos devem ser requeridos pelos Poderes e já também responderem, e se não for suficiente as justificativas, que se abra, que abramos na AL-MS, o processo que for de apuração, seja aberto internamente, como por pedido de qualquer cidadão, que pode e tem direito de fazer. Mas, os parlamentares é que devem decidir e a Assembleia tem que fazer o mínimo de seu papel”, disse Cruz, se referindo a ações a serem tomadas ou que já estão sendo encaminhadas a Casa de Lei, como um pedido de Impeachment do governador que foi dado entrada nesta segunda-feira (22).

Veja a entrevista completa do deputado, que tem mais detalhes de sua fala e sobre assunto tratado.

Comentários