Deputado do PMDB se diz atordoado e defende expulsão de ministro da aviação da legenda

O deputado Eduardo Rocha, presidente regional do PMDB, disse na manhã desta quinta-feira (17), estar estar perplexo com tudo que já estava acontecendo e que foi divulgado ontem sobre a crise politica no Brasil. O parlamentar disse que ficou até tonto com a mais nova situação que apareceu no governo da presidente Dilma Rousseff, com nomeação de Lula para ministro e mais tarde com a revelação de grampo telefônico, que pegou a presidente da Republica em conversa com ex-presidente. Rocha, lembrou e foi enfático em criticar e pedir saída do partido de um correlegionário que também assumiu hoje o Ministério da Avião Civil.

“Fiquei pasmo, estou tonto, atordoado, pois a situação piora a cada dia”, resumiu o deputado sobre as conversa telefônica entre o ex-presidente Lula e a presidente Dilma, no qual ela diz que encaminhará a ele o “termo de posse” de ministro, para supostamente salva-lo de qualquer ação da Justiça.

Deputado Eduardo Rocha (PMDB), Foto Lúcio Borges
Deputado Eduardo Rocha (PMDB), Foto Lúcio Borges

” A presidente Dilma poderia ter nomeado Lula a qualquer momento e faz agora neste momento em que ele está sendo investigado. Pode ate não ser, mas fica a questão de manobra”, comentou Rocha no plenário da AL-MS (Assembleia Legislativa de MS).

Eduardo Rocha falou ainda que o novo ministro da Aviação Civil, deputado federal Mauro Lopes (PMDB-MG) que assumiu hoje a pasta, pode ser expulso por desobedecer resolução do PMDB do último sábado (12). “Enquanto PMDB de MS vou reunir a bancada e aqui já na Assembleia vou pedir monção de repúdio ao deputado federal de Minas. Ele tem que ser expulso pela Nacional, pois ele desobedeceu resolução de quatro dias atrás que mandava não receber cargo no governo nos próximos 30 dias, para a definição final se o partido saíra do governo”, afirmou.

Matéria: Lúcio Borges

Comentários

comentários