Decreto do governo prevê força policial para liberar rodovias

O governo de Mato Grosso do Sul decretou emergência no estado por causa dos reflexos da greve dos caminhoneiros. O documento foi assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) nesta terça-feira (29) e cria o Comitê de Gestão de Crise. A paralisação já está no 9º dia.

Ponto de manifestação de caminhoneiros em Campo Grande, MS (Foto: Fabiano Arruda/ TV Morena)

Com o decreto, a intenção do governo é evitar a interrupção de serviços essenciais à população, o comprometimento da segurança pública, a paz social e o bem estar das pessoas.

Conforme o governo, a greve dos caminhoneiros tem causado transtornos em estradas, no transporte público, no abastecimento de alimentos, medicamentos, combustíveis e outros bens de primeira necessidade.

Em nota, o governo de Mato Grosso do Sul, afirma que nos últimos dois dias apenas dois caminhões de carga entraram no estado. Trinta municípios estão sem combustíveis e a tendência é que a situação se agrave.

Na nota, o governo fala ainda que as indústrias do estado pararam por falta de matéria-prima e de condições de transporte, causando prejuízo de cerca de R$ 100 milhões po dia. A categoria, conforme o estado, emprega mais de 120 mil trabalhadores.

O governo finaliza a nota dizendo que não debate a legitimidade do movimento, mas tem tomado medidas para proteger a população.

Conforme dados das polícias rodoviárias, até o fim da manhã desta terça-feira havia 33 pontos de manifestação em vias estaduais, 24 em federais e mais 6 bloqueis em rodovias da União.

Comentários