“Daqueles ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão”, diz Bolsonaro ao ofender todos governadores do Nordeste

Lúcio Borges

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (19), ou falou abertamente, mas sem saber que estava sendo captado por som aberto, contra os governadores da região Nordeste, onde todos os noves são de partidos de centro esquerda. O chefe do executivo atacou em especial dois, o do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB) e o da Paraíba, João Azevêdo (PSB), mas pejorativamente se referiu a todos/as como ‘os paraíbas’, que é uma expressão depreciativa e ofensiva na região. A fala foi na mesa do café da manhã, que oferece a jornalista, em especial ontem, a profissionais estrangeiros, onde ele mencionou “daqueles governadores ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão; tem que ter nada com esse cara”.

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação” ante ao termo, bem como do ataque e ‘ordem’ para não fazer nada pelos governadores e seus Estados. Captada por microfones, a declaração do presidente na manhã de ontem, provocou reações imediatas dos governadores Flávio Dino e João Azevêdo.

Neste sábado, uma nota oficial, veja abaixo, foi assinada por todos/as a executivos estaduais nordestinos. Pela nota, os governadores do Nordeste divulgaram uma carta em que cobram explicações do presidente. E dizem que recebem “com espanto e profunda indignação”, mas em respeito à Constituição e à democracia, buscam manter produtiva relação institucional com o Governo Federal.

Procurada pela imprensa nacional, o Palácio do Planalto informou que não vai comentar o episódio, ante nota e no que Bolsonaro conversava informalmente com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, segundos antes do início de entrevista coletiva a correspondentes de imprensa estrangeiros, quando declarou: “Daqueles governadores “paraíba”, o pior é o do Maranhão. Não tem que ter nada com esse cara — disse o presidente para o ministro. Pelo áudio da transmissão — distribuída pela TV Brasil, que pertence ao governo federal — não é possível saber o contexto da conversa.

Reações ainda ontem de Dino e Azevedo, principais atingidos ou citados

Pelo Twitter, Flávio Dino escreveu que, “independentemente de suas opiniões pessoais, o presidente da República não pode determinar perseguição contra um ente da Federação”. “Seja o Maranhão ou a Paraíba ou qualquer outro Estado. ‘Não tem que ter nada para esse cara’ é uma orientação administrativa gravemente ilegal”, argumentou o ex-juiz federal, que disse ainda que, por conhecer a Constituição e as leis brasileiras, continuará a “dialogar respeitosamente com as autoridades do governo federal e a colaborar administrativamente no que for possível”.
Dino, ainda disse que “eu respeito os princípios da legalidade e impessoalidade, onde fez referência ao artigo 37 da Carta Magna, que estabelece princípios da administração pública para dizer que respeita os princípios da legalidade e impessoalidade.
Azevedo foi mais duro –  Já João Azevêdo comentou as declarações de Bolsonaro dizendo que condena ‘toda e qualquer postura que venha ferir os princípios básicos da unidade federativa e as relações institucionais deles decorrentes’. O paraibano citou ser condenável “qualquer postura que venha ferir os princípios básicos da unidade federativa e as relações institucionais deles decorrentes’.
“A Paraíba e seu povo, assim como o Maranhão e os demais estados brasileiros, existem e precisam da atenção do Governo Federal independentemente das diferenças políticas existentes. Estaremos, neste sentido, sempre dispostos a manter as bases das relações institucionais junto aos entes federativos, vigilantes à garantia de tudo aquilo a que tem direito. Pelo seu povo. E pela sua história”, escreveu o governador da Paraíba, em dois tuítes.
Nota oficial dos governadores

Conforme documento oficial assinado e divulgado pelos rersponsáveis dos govenros no Nordeste, eles afirmaram ter recebido “com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República, ainda mais transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional”. O comunicado conclui: “Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia”.

Leia a íntegra da carta:

“Carta dos Governadores do Nordeste

19 de Julho de 2019

Nós governadores do Nordeste, em respeito à Constituição e à democracia, sempre buscamos manter produtiva relação institucional com o Governo Federal. Independentemente de normais diferenças políticas, o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população.

Recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional. Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia.”

Comentários

1 Comentário

  1. Eles se ofendem por serem chamados de Paraibas mas podem chamar Bolsonaro de nazista, racista e homofóbico. Não entendo essa “liberdade de expressão “

Comments are closed.