Damares quer ensinar meninos a ‘levar flores e abrir a porta’ para meninas

VEJA/JP

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou nesta sexta-feira, 8, Dia Internacional da Mulher, que o governo irá às salas de aula ensinar os meninos a respeitar as meninas, incluindo “levar flores” e “abrir a porta”.

“Nós vamos ensinar os nossos meninos na escola a levarem flores para as meninas, por que não? A abrir porta do carro para mulher, por que não? A se reverenciar para mulher, por que não? Nós não vamos estar dessa forma colocando a mulher em situação de fragilidade, mas nós vamos elevar a mulher para o patamar de um ser especial”, disse a ministra.

Damares criticou “ideologias passadas” que pregam a igualdade de gênero e atribuiu parte das agressões sofridas pelo sexo feminino a essas ideias.

“Os meninos vão ter que entender que as meninas são iguais em direitos e oportunidades, mas são diferentes por serem mulheres, e precisam ser amadas e respeitadas como mulheres. Enquanto os nossos meninos acharem que menino é igual a menina, como se pregou no passado algumas ideologias, já que a menina é igual, ela aguenta apanhar”, afirmou.

As declarações foram dadas durante um evento com o ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública, para a assinatura de um convênio entre os dois ministérios para combater a violência contra as mulheres. O acordo assinado nesta sexta prevê a formação de um grupo que avalia o uso de tecnologias em casos de violência doméstica.

Campanha

No Dia Internacional da Mulher, o ministério comandado por Damares lançou a campanha “Salve uma mulher”, com ações para conscientizar a população brasileira sobre a importância da promoção dos direitos igualitários. A pasta informa que a iniciativa é voltada, principalmente, para “profissionais de beleza” que lidam com mulheres todos os dias.

“A campanha contará com profissionais da área da beleza, que poderão orientar suas clientes considerando essa relação que muitas vezes é de confiança”, afirmou a ministra durante o evento em Brasília.

O maquiador Agustin Fernandez, conhecido nas redes sociais pelas campanhas a favor do presidente Jair Bolsonaro, é parceiro do projeto e chamou mais profissionais da área para abraçar a campanha. “No nosso ramo nós conversamos muito com as clientes e acabamos sendo, para elas, uma espécie de psicólogos”, disse Fernandez.

Comentários

1 Comentário

  1. E ela está errada? Homens e mulheres são diferentes. Enquanto as feministas não entenderem isso vai ser essa guerra de quem é melhor e quem mais perde são os mais radicais

Comments are closed.