Cruzeiro passa vergonha, leva três no Mineirão e deixa a Libertadores

Mesmo em vantagem, equipe mineira perde para o River e deixa a competição continental com um futebol completamente irreconhecível dentro do Mineirão

Após vencer o jogo da ida por 1 a 0 em pleno Monumental de Núñez, o Cruzeiro não entrou em campo no Mineirão. Pelo menos foi isso que o torcedor celeste viu do seu time durante praticamente todo o jogo. Sem tomar conhecimento da ‘Bestia Negra’, o River Plate aplicou 3 a 0 em Belo Horizonte e se classificou às semifinais da Libertadores com a maior justiça do mundo.

Foto Lancepress!
Foto Lancepress!

Resultado catastrófico para a equipe mineira, que sai da Libertadores jogando um futebol irreconhecível dentro de sua própria casa. Méritos para os argentinos, que mesmo inferior tecnicamente, deram um nó no time de Marcelo Oliveira e agora aguardam o vencedor de Racing ou Guaraní do Paraguai.

Cruzeiro irreconhecível passa vergonha

O primeiro lance de perigo saiu logo na segunda volta do ponteiro. Damião escorou de cabeça para Willian, que invadiu a área e tocou por cima do gol. Foi o único momento em que o torcedor da casa ficou perto de gritar gol no primeiro tempo. A resposta argentina começou a sair a partir do minuto seguinte. Aos seis, Sánchez experimentou de fora da área e Fábio encaixou firme no canto direito.

Com uma postura extremamente acanhada, o Cruzeiro continuou com dificuldades para encaixar um ataque, além de ceder às investidas do River. Bruno Rodrigo e Manoel se revezaram nas bobeiras, mas foi uma falha na tentativa de interceptação de Willians que gerou o contra golpe fatal. A troca de passes entre Mora e Gutiérrez foi tão solta que, ao receber a bola, o meia Sánchez teve não só liberdade, mas tempo suficiente para escolher aonde balançar as redes de Fábio. 1 a 0.

Mais intenso desde o início do jogo, o River antecipou as catimbas em campo (o massagista foi expulso), mas não abriu do ataque. Para isso, contou a desatenção celeste para seguir melhor e controlar totalmente a região central do gramado. Aos 44 minutos, uma nova ducha de água fria na torcida celeste. Pela esquerda, saiu o escanteio Ponzio, que colocou a bola na cabeça de Maidana, fechando a etapa inicial em 2 a 0.

River faz mais um e administra classificação

Ciente da carência criativa no primeiro tempo, Marcelo Oliveira promoveu a entrada de Gabriel Xavier no lugar do apagado Arrascaeta. Sobrou vontade, faltou atenção. Em novo vacilo da zaga, Bruno Rodrigo levou um drible daqueles de Teo Gutiérrez e ainda viu o atacante marcar o terceiro gol do River, calando o Mineirão mais uma vez e novamente fazendo justiça ao time que mais jogou.

Com futebol muito limitado, o Cruzeiro não encontrou inspiração para esboçar uma reação. O time da casa esbarrou na forte marcação do River e ainda antes da metade do segundo tempo, não tinha sequer ameaçado o gol de Barovero. As melhores chances do time estrelado saíram apenas nos 15 minutos finais. Damião finalizou no pé da trave, enquanto Alisson colocou a bola no travessão. Nada que mudasse o placar do jogo e a vergonha da eliminação. No final, Gabriel Xavier ainda recebeu o vermelho direto para impedir o quarto gol. 3 a 0 River, placar final.

CRUZEIRO 0 x 3 RIVER PLATE

Motivo: Jogo de volta, quartas de final Libertadores 2015
Data/Hora: 27/05/2015, às 22h
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Wilmar Roldán (COL)
Assistentes: Wilson Berrio e Alexandre Guzmán
GOLS: Carlos Sánchez, 19’1ºT (0-1), Maidana, 44’1ºT (0-2), Teo Gutierrez, 6’2ºT (0-3)
Cartões amarelos: Mena, Willian (CRU), Barovero e Mercado (RIV)
Cartão vermelho: Gabriel Xavier (CRU).
Público/Renda: 54.898 pagantes/55.951 presentes/R$3.646.216,00

Cruzeiro: Fábio; Mayke, Manoel, Bruno Rodrigo e Mena; Willians (Joel – 26’2ºT) e Henrique; Marquinhos, De Arrascaeta (Gabriel Xavier – Intervalo) e Willian (Alisson – 10’2ºT); Leandro Damião. Técnico: Marcelo Oliveira.

River Plate: Barovero; Mercado (Pezella – 16’2ºT), Maidana, Funes Mori e Vangioni; Sánchez, Matías Kranevitter, Leonardo Ponzio (Mayada – 26’2ºT) e Rojas; Rodrigo Mora e Teo Gutierrez (Martínez – 33’2ºT). Técnico: Marcelo Gallardo.

LANCEPRESS!

Comentários

comentários