CPI revela que PCC fatura R$ 16 milhões ao mês e mantém ‘reserva’ em cofres

Relatório final da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), divulgado pela Câmara dos Deputados, revelou que o controle do PCC (Primeiro Comando da Capital), ao crime organizado em São Paulo, ocorre dentro de presídios paulistas e leva a facção a faturar R$ 16 milhões por mês com crimes. O grupo, inclusive, até mesmo uma poupança escondida em imóveis, onde existem cofres com R$ 1 milhão. O dinheiro seria usado em momentos de ‘dificuldades’.

08pcc

A atuação de organizações criminosas dentro das unidades foi um dos principais problemas apontados nas investigações das unidades prisionais do país.

O relatório cita que, em menos de cinco anos, o faturamento do PCC dobrou. A CPI lembra que um livro-caixa apreendido pela polícia mostrou que, em 2008, a facção arrecadava R$ 4,8 milhões por mês em média com assaltos, roubos a bancos, sequestros e outros crimes.

“Esse número aumento para R$ 8 milhões por mês entre os anos de 2010 e 2013, passando a mais de R$ 16 milhões por mês nos dias atuais, segundo levantamento feito pelo Ministério Público, este é o movimento ‘normal’ da facção”, apontou.

Para cuidar do dinheiro, existiria na facção a figura do ‘contador’, responsável pela contabilidade. O grupo tem até uma “poupança.” “Como reserva para momentos de dificuldades, a facção criou as chamadas Minerais, espécie de cofres preenchidos com R$ 1 milhão cada um. As interceptações telefônicas do Ministério Público apontam a existência de ao menos sete Minerais escondidas em imóveis comprados pela facção. A localização delas é desconhecida”, informou.

Organização e comunicação

O relatório traça um raio-x da maior organização criminosa do país. “Em São Paulo, o ‘staff’ da facção PCC, formado pelo chefe e subchefes, é chamado pelos detentos de ‘Família Real’. Abaixo dos subchefes vêm os ‘Pilotos'”, ressalta.

Em depoimento à CPI, o promotor Lincoln Gaklya, integrante do Gaeco (Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado), disse que nem mesmo os bloqueadores de celulares conseguiram quebrar a cadeia de comando, já que há encontro com advogados que garantem a comunicação entre integrantes dentro e fora do presídio.

“Essa eficiência da comunicação é um dos pontos fortes da facção e é capaz de fazer a informação chegar ao líder de cada setor, sem interceptações. Com a ajuda de uma rede de advogados instalados na ‘Sintonia dos Gravatas’, pagando até R$ 2.000 para mulheres visitarem presos levando informações e R$ 25.000 por cada celular entregue, e dessa forma a cúpula e os Sintonias Gerais e Finais conseguem comandar toda a cadeia produtiva da organização mesmo dentro do sistema penitenciário”, ressalta.

Para os deputados da comissão, as lideranças do PCC exercem “domínio e fascínio sobre a massa carcerária.” “Elas prometem ser a ‘voz’ dos detentos nas prisões e em muitos casos fazem acordos com diretores de presídios, que cedem a ‘facilidades’ em troca de ausência de motins”, explica.

Combate é “diuturno”, diz Estado

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo diz que “combate diuturnamente o crime organizado em parceria com a inteligência das polícias e com o Ministério Público.” Porém, informou que “mais informações não podem ser fornecidas por questão de segurança.”

Diz, porém, que a política estadual é de “tolerância zero com relação à entrada de objetos ilícitos”. “Todas as unidades prisionais do Estado estão equipadas com aparelhos de raio-x de menor e maior porte, além de detectores de metal de alta sensibilidade que ajudam a coibir a entrada de equipamentos e drogas, atreladas a vigilância constante dos agentes de segurança, treinados para evitar a entrada de ilícitos nos presídios”, informou.

A secretaria afirma ainda que contratou uma empresa para instalar bloqueadores de sinal de celular nos presídios que abrigam presos líderes de facções criminosas e nas que possuem presos de alta periculosidade. “Inicialmente foram abrangidos inicialmente 23 presídios”, finalizou.

G1

Comentários

comentários