Corumbá tem mais de 2,7 mil focos de queimadas no ano

Após liderar o ranking nacional de queimadas durante boa parte do ano, Corumbá agora ocupa a quarta colocação no País, com mais de 2.700 focos. É o que apontam os dados dos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Pelo monitoramento, são 2.720 focos até o dia 10 de dezembro.

O maior município do Pantanal de Mato Grosso do Sul está atrás apenas das cidades de São Félix do Xingu (PA), com 4.301 registros de queimadas; Porto Velho (RO) que contabiliza 4.056 focos de calor, e Altamira (PA) que teve 3.312 focos em 2015. Em Mato Grosso do Sul, o total de focos no ano é de 4.987.

Arquivo/Anderson Gallo/Diário Corumbaense
                                  Arquivo/Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Este ano, Corumbá foi atingida por uma intensa onda de calor e isso pode explicar, ainda que parcialmente, a quantidade de focos de queimadas na cidade. Por pelo menos três dias consecutivos a cidade atingiu temperatura na casa dos 40 graus Celsius.

No dia 22 de outubro, os termômetros da estação automática – que o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) – mantém na cidade, marcaram 40,8 graus às 15 horas. No dia 21, com 40,7º Corumbá figurou entre os dez municípios brasileiros que registraram maior temperatura naquele dia. Na terça-feira, 20, o Inmet registrou na cidade a segunda maior temperatura do país, com 40,9 graus. Na frente apenas a cidade goiana de Itumbiara com exatos 41 graus Celsius.

Cada satélite produz pelo menos um conjunto de imagens por dia. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais processa mais de 100 imagens por dia especificamente para detectar focos de queima da vegetação. Para os satélites de órbita polar (NOAAs a 800 km de distância, e TERRA e AQUA a 730 km), os trabalhos de validação de campo indicam que uma frente de fogo com cerca de 30 m de extensão por 1 m de largura, ou maior, será detectada. Para os geoestacionários, a 25 mil km de distância, a frente precisa ter o dobro de tamanho para ser localizada.

Fonte: Diário Corumbaense

Comentários

comentários