Corrêa desqualifica gravação em que sugere fraude e pede ponto eletrônico na AL

O deputado estadual Paulo Corrêa (PR) falou pela primeira vez nesta terça-feira (1) depois do vazamento de conversa em que ele aparece orientando o colega Felipe Orro (PSDB) a fraudar folha de ponto de servidores. O deputado se defendeu afirmando que a gravação foi ilegal ao anunciar que pedirá à polícia investigação sobre o que chamou de “grampo criminoso”.

Foto divulgação assessoria Assembleia Legislativa
Foto divulgação assessoria Assembleia Legislativa

Da tribuna da Assembleia legislativa Corrêa explicou que a ligação flagrada aconteceu há mais de um ano, e que procurou o amigo Orro para lhe comunicar sobre uma reportagem veiculada no Fantástico sobre existência de servidores fantasmas na Assembleia do Rio Grande do Sul.

“Peço desculpas pelo ponto fictício. Usei erroneamente essa palavra. Quis dizer que deveria ser de forma literal e manuscrita”, disse o deputado, que emendou que a conversa era ‘informal com um amigo’.

Corrêa também pediu que Assembleia implante relógio de ponto “para acabar com essas desconfianças”.

“O que eu estava sugerindo era um controle manuscrito dos servidores que trabalham com ele. Nunca tive suspeita de qualquer irregularidade, recebi uma ligação do Felipe, onde eu estava orientando para regularizar sua folha de ponto de seu pessoal. Nenhum momento, estávamos falando de funcionários fantasmas”.

Por fim, disse que está à disposição da Assembleia, OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul), MPE (Ministério Público Estadual) e TCE (Tribunal de Contas do Estado). “Todos os órgãos que queiram fazer a avaliação se os servidores são regulares”.

O Deputado Orro voltou a se defender de que nunca fraudou folha de servidores e que possui folha abaixo da cota. “Na ocasião da gravação estava na cidade de Maracajú, ao lado de um homem que identificou como Pr. Jairo, que me emprestou o telefone celular para atender ao chamado de Corrêa. Eu mesmo controla a frequência dos meus funcionários, não cometi nenhuma irregularidade”, afirmou.

Comentários

comentários