Contra raiva, Sesau vacina cães e gatos da Capital; meta é imunizar 164 mil

Da Redação/JP

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), iniciou a campanha de vacinação de cães e gatos contra a raiva . O objetivo é imunizar, nos próximos quatro meses, ao menos 164 mil cães e gatos, o equivalente a 80% da população total estimada.  Atualmente existem no Município cerca de 162 mil cães e 44 mil gatos, segundo levantamento do Centro de Controle de Zoonozes (CCZ).

Conforme a chefe do serviço de controle da raiva e outras zoonozes do CCZ, médica veterinária Maria Aparecida Conche Cunha, o trabalho de imunização que é feito de porta em porta começou pelo bairro Nova Lima e nos próximos dias deve se estender para os demais bairros e regiões da Capital.

De acordo com a veterinária, 80 agentes estão empenhados para a campanha e a estimativa é de que mais de 1,2 mil animais sejam vacinados por dia e o trabalho se estenda até o início de novembro.

Segundo Maria Aparecida, estão sendo imunizados todos os cães e gatos com mais de quatro meses de idade, com exceção apenas de animais doentes e ou que apresentem alguma debilidade.

O último caso de raiva em animais domésticos (cães e gatos) registrado em Campo Grande ocorreu em 2011. Em humanos, o último registro é de 1968.

Transmissão da doença

A raiva pode ser transmitida por vias aérea (morcegos) e terrestre (cães, gatos e homem). Conforme Maria Aparecida, em Campo Grande, só existem morcegos que se alimentam de frutos e insetos, mas eles também podem pegar o vírus da raiva, se entrarem em contato com os que se alimentam de sangue.

Segundo a veterinária, em 2016 foram registrados 10 casos de morcegos encontrados mortos que atestaram positivo para a doença. Este ano, de janeiro até agora, o CCZ registrou dois casos de morcegos encontrados mortos que estavam contaminados com a raiva.

“Apesar de termos um controle efetivo da doença por conta do trabalho de imunização, é preciso frisar que precisamos de todos os cuidados necessários. O vírus continua circulando e por isso é preciso que os animais sejam imunizados”, pondera.

A veterinária orienta que caso alguém encontre um morcego morto, nada de mexer nele, pois ele pode estar com o vírus da raiva. A orientação é colocar algo em cima do bicho e ligar para o CCZ, que tem material especial para remover o animal.

Se uma pessoa for mordida por um cão ou gato, deve procurar a unidade de saúde o mais rápido possível para fazer tratamento de prevenção da raiva, pois se o animal portar o vírus, ele será transmitido e se espalhará muito rápido.

Serviço

O CCZ funciona de segunda a sexta-feira, das 7 às 23 horas. Aos sábados e domingos, das 6 às 23 horas. O endereço é avenida Senador Filinto Müller, 1.601, Vila Ipiranga e os telefones são 3314-5000 e 3314-5001.

Comentários