Conheça os suplentes que podem assumir se Câmara cassar vereadores investigados

 

Câmara pode ter nove vereadores novos
Câmara pode ter nove vereadores novos

A Câmara Municipal cogita o afastamento dos vereadores investigados pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público Estadual.

Além do presidente da Casa, outros oito vereadores estão sob investigação e podem acabar afastados: Airton Saraiva (DEM), Carlão (PSB) e Chocolate (PP); Dr. Jamal (PR), Edil Albuquerque (PMDB) e Edson Shimabukuro (PTB); Gilmar da Cruz (PRB) e Paulo Siufi (PMDB).

A possibilidade decorre do apurado pelas investigações que envolvem nove vereadores de Campo Grande, em um suposto esquema com fortes indícios de compra de votos e promessa de vantagens e cargos, em troca da aprovação do processo que cassou o mandato do prefeito Alcides Bernal (PP) em 2013.

A medida se alinharia ao pedido de afastamento do prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP) e do presidente da Câmara, Mario Cesar (PMDB) do Gaeco acolhido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Diante dos fatos apurados, o Ministério Público Estadual já oficiou à Câmara, as informações apuradas com indícios de corrupção que podem suscitar até mesmo processos de cassação dos mandatos dos parlamentares por quebra de decoro parlamentar, mas a medida é prerrogativa exclusiva do Legislativo, que pode ou não tomar a iniciativa.

Na hipótese de confirmação dos afastamentos, seriam conduzidos à Câmara, caso não haja nenhum impedimento por parte da Justiça Eleitoral, os seguintes suplentes: Antônio Cruz(PR), Clemêncio Ribeiro (PMDB ) e Wilson Sami (PMDB) e Marcos Tiguman (PTdoB), Jacqueline Hildebrand (PP) e Pedrinho Spina (PTB); Isaías Martins dos Santos – o Baiano Protético (PRB) e Josceli Roberto Gomes Pereira (PDT).

Silvio Ferreira e Jackson Nogueira

Comentários

comentários