Comércio online vale US$ 22 trilhões, mas precisa atingir potencial máximo

Metade da população mundial não tem acesso a internet (Foto: Ilustração)
Mais da metade da população mundial não tem acesso a internet (Foto: Ilustração)

Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento destaca necessidade de aumento na confiança nesses mercados e proteger consumidores de ataques cibernéticos; metade da população mundial ainda não acessa internet.

A Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, acredita que o comércio online precisa de impulso para atingir seu potencial máximo, especialmente em países em desenvolvimento.

Nesta terça-feira (22), o vice-secretário-geral da Unctad declarou a necessidade de se aumentar a confiança no comércio online e dar maior proteção aos direitos dos consumidores, incluindo a prevenção dos crimes cibernéticos.

Valores

Segundo Joakim Reiter, os mercados de compras pela internet estão crescendo com rapidez, atingindo no ano passado a marca de US$ 22 trilhões. Entre os benefícios deste tipo de comércio online estão a criação de empregos, melhor fonte de crescimento do que a indústria manufatureira e oferecimento de maior estabilidade em relação às commodities.

Mas a preocupação da Unctad são com as pessoas que não estão conectadas com as oportunidades dos mercados online: mais da metade da população mundial ainda não acessa a internet, sendo que na África, o índice é de 75%.

Segurança

O vice-representante da entidade da ONU afirma estar preocupado “com 4 bilhões de pessoas nos países em desenvolvimento que não estão acessando esse crescente mercado global”. Para Joakim Reiter, essa falta de infraestrutura precisa ser corrigida.

As declarações foram feitas em Genebra, durante uma reunião sobre governança da internet. Segundo Reiter, olhando para o futuro, os consumidores “precisarão de proteção internacional contra crimes cibernéticos, para que se sintam seguros ao fazer compras online”.

Comentários

comentários