Comerciantes se revoltam com acúmulo de lixo no Centro

A greve dos trabalhadores da limpeza da Solurb começou há apenas dois dias, mas o acúmulo de lixo na Capital já é grande. No centro de Campo Grande é possível ver sacolas espalhadas por toda a parte.

Foto: Kerolyn Araújo
Foto: Kerolyn Araújo

A estudante Rosimeire Quintana, 39 anos, em entrevista ao Página Brazil, contou que o lixo acumulado nas calçadas do centro estão atrapalhando quem transita pelo local. “Além do mau cheiro que ele causa, ainda temos que ficar desviando. A cada cem metros encontramos uma montanha de lixo”, relatou.

O acúmulo de lixo nas ruas do centro também incomoda os comerciantes e trabalhadores da região, como é o caso de Renan Ugulini, 29 anos. Segundo o farmacêutico, que trabalha em uma farmácia na rua 14 de Julho, onde existe uma grande quantidade de lixo na porta do estabelecimento, a falta de coleta representa um risco para a população. “Esteticamente esse acúmulo feio, mas além disso existe o perigo de algum pedestre tropeçar no entulho e se machucar. Não sabemos o que tem dentro das sacos. E se tiver caco de vidro? Se chover, o lixo pode causar contaminação. Esse tipo de serviço deveria ser prioridade para a prefeitura, porque já é um caso de saúde pública”, disse ao Página Brazil.

A paralisação começou na terça-feira (09). A Solurb alega que a greve é devido a falta de pagamento da prefeitura. Não há previsão para quando os serviços voltem a funcionar normalmente.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários