Comerciante de origem japonesa é executado a tiros na fronteira

Comerciante de origem japonesa e executado a tiros por pistoleiros na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero na fronteira com Ponta Porã.

O mesmo foi identificado como, Hiroyuki Tamano (60) executado na manha de sexta feira (29) por volta das 10:35hs, quando limpava a calçada de sua residência recém comprada na rua Rubio Ñu esquina com a rua Carlos Dominguez do bairro Guarani de Pedro Juan Caballero, onde os pistoleiros chegaram a bordo de uma motocicleta de origem brasileira e realizaram vários disparos de pistola 9mm contra a cabeça da vitima que faleceu de forma instantânea no local.

29super

Agentes da Policia técnica acompanhados do promotor Martin Areco e do medico forense Marcos Prieto, realizaram os procedimentos de rigor e posteriormente por ordem do promotor o corpo foi encaminhado ao IML do Hospital Regional da cidade.

Segundo o site poranews, as primeiras informações dão conta que o crime poderia se tratar de um ajuste de contas, já que o comerciante emprestava dinheiro a terceiros, a policia não confirma tal informação e também não descarta nenhuma hipótese que serão investigadas pelos agentes da Seção de Investigação de Delitos da policia e pela Divisão de Homicídios do estado de Amambay.

O senador Liberal, Roberto Ramão Acevedo, criticou duramente os agentes da Policia Nacional e do Ministério Publico, que não investigam os casos de homicídio nesta parte do país, onde segundo o senador, a corrupção se instalo em todas as esferas da sociedade de Pedro Juan Caballero, onde os pistoleiros transitam livremente armados para realizar seus crimes contra integrantes da sociedade.

Integrantes da embaixada japonesa no Paraguai manifestaram que cobrará do Governo do Paraguai uma rápida apuração do caso e que os culpados sejam punidos com rigor, já que a vitima era uma pessoa ativa na sociedade e um empresário de sucesso na região de fronteira, onde atuava na sociedade a fim de que seja um lugar melhor a população.

O violento crime chocou a comunidade fronteiriça, pela forma fria em que atuaram os pistoleiros que logo de cometer o bárbaro crime contra o comerciante, fugiu do local sem que as forças de seguranças publicas do estado possa interceptar os mesmos.

Comentários

comentários