Combate a exploração sexual infantil será debatido amanhã na ALMS

Lúcio Borges

A AL-MS (Assembleia Legislativa de MS) promoverá na manhã desta sexta-feira (18), uma audiência pública para discutir o abuso sexual infantil no Estado. O tema infelizmente é recorrente e terá maior relevância em cima de uma triste ‘coincidência’, após ação policial em nível nacional contra a pedofilia, que ocorreu nesta quinta-feira (16),  também estando em Mato Grosso do Sul, onde prendeu seis acusados, incluindo dois policiais civil em Campo Grande. O debate já era previsto entre tema da campanha Maio Laranja, lançada no início deste mês em evento realizado na Governadoria do Estado.

A audiência que acontece no plenário deputado Júlio Maia, na sede do Parlamento Estadual, é uma proposição do deputado Herculano Borges (SD), que ressaltou hoje (17), durante pronunciamento na sessão ordinária,  o convite à sociedade e autoridades públicas para participar do evento. “Acredito que com ações como essa nós iremos, juntos, reverter os números lamentáveis de abuso e exploração de jovens que temos hoje em nosso Estado”, disse.

O parlamentar ainda destacou outras iniciativas que estão sendo realizadas em todo o Estado e os resultados obtidos até o momento. “A campanha de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes está percorrendo as escolas com palestras, vídeos educativos e material informativo. Durante uma palestra no interior do MS, uma criança começou a chorar, após ser atendida ela revelou que sofria abusos e foi encaminhada para o apoio especializado. Além disso, delegados têm nos informado sobre a procura por denúncia contra abusadores”, contou.

O deputado também lembrou e comentou sobre a Operação Luz na Infância 2, contra a pornografia infantil, deflagrada nesta manhã em todo o país. “Têm mandados de prisão para pessoas aqui de Mato Grosso do Sul, tanto na capital como no interior. Por isso precisamos debater o assunto, promover a conscientização dos jovens e de toda a sociedade para que possamos evitar esse crime”, finalizou.

Comentários