Com votos dos senadores de MS, reforma trabalhista é aprovada

O texto base da reforma trabalhista, aprovada no Senado Federal na noite desta terça-feira (11), teve o apoio da senadora Simone Tebet (PMDB) e Waldemir Moka, do mesmo partido.

Pedro Chaves, Simone Tebe e Waldemir Moka

A proposta enviada ao Congresso pelo presidente Michel Temer (PMDB) precisava de pelo menos 40 votos, mas obteve 50 a favor e 26 contra.

O senador Pedro Chaves (PSC) acompanhou os outros senadores de MS. Agora o texto será enviado para sanção presidencial.

“Hoje foi conturbado e o problema todo foi criado por algumas senadoras que chegaram antes do presidente do Senado [Eunício de Oliveira, PMDB do Ceará] e ocuparam a mesa. Aí ficou aquele jogo de paciência, já que a atitude delas não levava a nada e havia um cronograma que a oposição participou inclusive”, comenta Moka.

A medida mais polêmica é que a proposta dá força de lei para negociações entre patrões e empregados, desde que não afete direitos trabalhistas como FGTS, por exemplo.

Nesta terça-feira, a Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul) encaminhou ofício aos três senadores de MS pedindo a aprovação do texto.

Comentários