Com revitalização da 14 de julho, empresários investem em reforma de lojas e investem em novos negócios

O cenário de canteiro de obras não é restrito apenas ao longo dos 1,4 km de calçadas e de pista da 14 de Julho que entra na reta final das intervenções previstas no Reviva Campo Grande.

Dentro de muitas lojas também é intensa a movimentação de operários que estão trabalhando até aos finais de semana na conclusão da remodelagem destes espaços comerciais, enquanto outros estão sendo adaptados para outros nichos de mercado.

Foto: Divulgação/PMCG.

Ninguém quer perder o período de maior movimento no comércio, o mês de dezembro, quando o consumidor com o poder aquisitivo reforçado pelo 13º, compra os presentes de Natal.

Empresas estabelecidas em ruas transversais quase esquina com a 14 de Julho, estão adequando espaço, anexando prédios vizinhos para o consumidor ter acesso à loja pela via.

Segundo o gerente de uma loja de móveis, Denilson Lopes Molina, que deixou a cidade de Sinop em Mato Grosso onde por 5 anos exerceu a mesma função, para trabalhar em Campo Grande, onde atuará no comando de uma loja que com a ampliação, passará a 3.100 metros quadrados, o que exigiu a contratação de mais 16 funcionários, ampliando 64 trabalhadores o quadro de pessoal. “A direção da empresa acredita que com este investimento, as obras na 14 de Julho, este provavelmente será o melhor dezembro, em termos de vendas, dos últimos anos”, afirma.

Na esquina da 14 com a Avenida Fernanda Correia da Costa, que é uma espécie de “marco zero”, do Reviva Campo Grande, os trabalhos estão acelerados num prédio onde por muitos anos funcionou a filial de uma rede de supermercados. O espaço está sendo preparando para se de tornar uma galeria com capacidade para sete abrigar 7 lojinhas e uma praça de alimentação.

Em outra esquina icônica do comércio campo-grandense, a 14 de Julho com a 15 de Novembro, em frente da Praça Ary Coelho, o empresário Nilson Carvalho Vieira, está na contagem regressiva para a entrega das obras, no próximo dia 29.

Há 30 anos neste ponto, primeiro atuando no segmento da fotografia, agora também de óptica, está fazendo algumas adequações na loja e vai abrir uma porta adicional aberta para a 14. “Enquanto as obras duraram tive de fazer alguns ajustes, agora meu planejamento é reforçar o quadro de pessoal para atender o crescimento da clientela”, avalia.

Na expectativa de que aquecimento das vendas com a entrega da revitalização, o empresário Djalma Santos, vai abrir sua terceira loja na 14 de Julho dedicada a bijuterias e acessórios. O prédio onde por muitos anos funcionou uma lanchonete (na sobre esquina com a Afonso Pena), está sendo reformado e adaptado para abrigar a nova loja.

O mesmo movimento de trabalhadores se observa num prédio na altura do número 2.250 (no meio da quadra entre a Dom Aquino e a Cândido Mariano). Dois empresários chineses que estão há dois anos em São Paulo, escolheram Campo Grande para expandir seus negócios no Brasil. Preferem não divulgar o nome da loja (também do segmento de bijuterias) até que o alvará de funcionamento da Prefeitura seja liberado.

O projeto – O Reviva Campo Grande está o transformando a mais tradicional via comercial de Campo Grande num autêntico shopping Céu a Aberto sem a poluição visual do novelo de fios das redes elétricas e de telefonia, calçadas padronizadas, arborização e uma atrativa decoração natalina que começa a ser montada nos próximos dias. Conforme a Engepar Engenharia, empresa responsável pelas obras, o projeto está mais de 95% executado. Estão sendo retirados os postes de energia aérea, concluído o o novo paisagismo e a arborização.

Comentários