Com novo formato, MS já economizou R$ 156 milhões com compras este ano

O Secretário de Estado e Administração de Mato Grosso do Sul, Carlos Alberto de Assis. explicou nesta quarta-feira (17) como irá funcionar o procedimento licitatório do Estado, que a partir de agora terá um novo formato, com o objetivo de garantir mais economia através de um banco de preços. “Foi uma determinação do atual governo para que comprássemos produtos de boa boa qualidade, com bons preços e que sejam entregues dentro dos prazos solicitado”, afirmou Assis.

17Carlosalberto

O Secretario informou que esta sendo instalando desde o inicio do ano, um banco de dados de preços onde poderá ser consultado todos os produtos e seus valores de comercialização dentro de um prazo de 90 dias. ” Com esse processo podemos saber por quanto foi comercializado essa mercadoria e a partir disso formar uma pauta de preço. Há uma politica de que tudo para o Estado é mais caro, mas nós achamos que tem que ser ao contrario, pois o Estado compra em grande quantidades, paga em dia, então tem que ter bons produtos e bons preços”, ressalta.

Segundo o secretário de administração, somente no primeiro trimestre deste ano foi economizado cerca de R$ 156 milhões de reais com a implementação desse sistema, dinheiro este que está sendo aplicado na saúde, educação, segurança publica, entre outras áreas”, enfatiza.

Outro assunto abordado pelo Secretário foi o projeto de reestruturação dos Práticos “Central de Atendimento ao Cidadão”, destinado para o atendimento de serviços que o governo oferece a população de Campo Grande e do interior do estado., como retirada de identidade, carteira de trabalho, inscrição em programas habitacionais, pagamento de guias, entre outros serviços. “Nós queremos facilitar para a população centralizando todos os serviços em um só lugar. Já esta sendo feito um levantamento de custos para que seja reestruturado as unidades existentes e ampliar o atendimento para outros bairros e regiões, com melhor qualidade de atendimento e infra-estrutura”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários