Com Flamengo de olho, Renato Gaúcho busca mais um título no Grêmio

Uma decisão em que a partida em si é tão aguardada quanto a entrevista coletiva posterior. Renato Gaúcho virou protagonista de um Grêmio vencedor nos últimos anos, e a possibilidade de o seu futuro a curto prazo estar longe de Porto Alegre fez com que a ansiedade pela final do Campeonato Estadual acabasse diluída.

Desde que iniciou sua terceira passagem à frente do time tricolor em setembro de 2016, o treinador levou o time aos títulos da Copa do Brasil, no mesmo ano, da Copa Libertadores, em 2017, e da Recopa Sul-Americana, em 2018.

Agora, o quarto título pode vir neste domingo, quando o Grêmio visita o Brasil de Pelotas, às 15h (de Brasília), depois de ter triunfado no jogo de ida por 4 a 0. Assim, a tendência é que o clube da capital gaúcho encerre um jejum na competição, uma vez que não fica com o título desde 2010. No período, o Internacional foi hexacampeão e o Novo Hamburgo surpreendeu ao conquistar a taça de forma inédita na última temporada.

O troféu, obviamente, não teria o mesmo peso das conquistas dos dois últimos anos, mas acabaria com uma questão que está atravessada para os gremistas e ainda daria mais um argumento para a construção de uma estátua para Renato Gaúcho, que como jogador foi campeão da Copa Libertadores e do Mundial de 1983 com a camisa tricolor.

Depois de pedir tal homenagem ao clube, o técnico teve seu pedido atendido em dezembro, quando o Conselho Deliberativo aprovou a construção da estátua a Renato, que tem contrato até o fim do ano com o Grêmio. Caso ele cumpra o vínculo, chegará a 28 meses ininterruptos no cargo, tornando-se o quinto mais longevo em uma só passagem no clube, e a um mês de igualar Tite, conforme aponta matéria da Rádio Gaúcha do fim de 2017.

No entanto, tal permanência passou a ser questionada nos últimos dias com o interesse do Flamengo. O próprio treinador pediu aos jornalistas para deixar as perguntas sobre o assunto para depois do jogo contra o Brasil de Pelotas.

Comentários