Com CPI na mira da Energisa, investigações podem ser ampliadas se surgirem novas denúncias

Nádia Nicolau

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que vai apurar possíveis irregularidades na Energisa, concessionária de energia elétrica de Mato Grosso do Sul, tem movimentado a Assembleia Legislativa que, por sinal, já tem definidos os nomes publicados pela Mesa Diretora da Casa de Leis no Diário Oficial da última terça-feira (19).

São eles: Capitão Contar (PSL) e João Henrique (PL), Renato Câmara (MDB) e Barbosinha (DEM) e Felipe Orro, pelo PSDB. Os suplentes são, respectivamente, Antônio Vaz (Republicanos) e Evander Vendramini (PP), Marcio Fernandes (MDB) e Eduardo Rocha (MDB), e Marçal Filho, pelo PSDB.

Conforme o deputado Felipe Orro (PSDB), em entrevista, a instauração desse processo de investigação foi idealizado e formalizado a partir do recebimento de diversas denúncias de consumidores. O relatório deve ficar pronto em 120 dias, mas esse prazo pode ser estendido. “A CPI tem fator determinado, mas pode ser ampliada a investigação com o surgimento de novas denúncias. Isso é permitido por lei”, declarou.

O parlamentar, que é um dos titulares do grupo de trabalho, salientou “vou fazer todo o possível para ter justiça, mas não posso pré-julgar”. Ele reforçou que seu gabinete está aberto para receber reclamações de consumidores que se sentem lesados pela Energisa, o contato pode ser feito, inclusive, por e-mail, ou mídias sociais do deputado.

Ainda de acordo com Felipe Orro, a primeira reunião de trabalho da comissão deve acontecer na próxima terça-feira, 26 de novembro. O deputado afirmou que a empresa Energisa ainda não teve contato com a Casa de Leis, mas acredita que a concessionária terá disposição em ajudar no que for necessário.

Vale destacar que na sessão em que foi instaurada a CPI, o presidente da ALEMS, deputado Paulo Corrêa, falou sobre os recursos humanos, que ajudarão nos trabalhos da comissão. “Temos advogados concursados, que serão disponibilizados para auxiliar nesta CPI. Caso haja necessidade, vamos requisitar servidores de outros órgãos do Estado”, afirmou.

CLIQUE AQUI para conferir a entrevista completa.

Comentários