Colheita do algodão segue até agosto em MS e falta de chuvas impacta

Os agricultores de Mato Grosso do Sul que se dedicam ao cultivo do algodão, já iniciaram a colheita dos mais de 23 mil hectares e esperam uma produção equivalente a 42.467 toneladas de pluma. Segundo a Associação Sul-mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampasul), a colheita se estenderá até agosto e a escassez hídrica impactará no levantamento final da safra.

Os municípios que iniciaram a colheita foram Aral Moreira e Chapadão do Sul. Os demais: Costa Rica, Paraíso das Águas, Alcinópolis e Campo Grande, devem entrar com as colheitadeiras ainda neste mês de junho. O percentual colhido até o momento é de 2,5 % do total da área destinada ao algodão nesta safra.

Segundo a Ampasul, devido a destinação de algumas áreas para outras culturas, como soja e milho, já era estimada uma produção menor. Em relação à mesma safra do ano passado, a área a ser colhida foi reduzida em 27,2%, mas a produtividade deverá ficar na casa das 300 arrobas por hectare.

A Associação ainda alerta que nesses municípios, que se dedicam ao algodão, alguns chegaram a ficar 70 dias sem chuvas. Isso pode resultar em uma redução na expectativa de produção. A estimativa atual é de 5% a 7% a menos na produção, em relação a expectativa no início do cultivo.