Clima esquenta entre Marun e ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa

Durante a oitiva do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa na Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI da Petrobrás realizada na terça-feira (05) o clima esquentou quando o deputado federal, Carlos Marun (PMDB/MS) começou a questioná-lo.

Costa diz que aterrou piscina porque não conseguia pagar conta de água

A pergunta feita pelo parlamentar sul-mato-grossense era sobre suposto dinheiro que havia sido enterrado em sua piscina, conforme depoimento realizado a Polícia Federal, em janeiro desde ano, pelo policial afastado Jayme Alves de Oliveira Filho, mais conhecido por “careca”, onde afirmou ter “ouvido” que o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa havia aterrado a piscina de sua casa no Rio de Janeiro para guardar dinheiro. (SIC Folha UOL)

Porém ontem ao responder sobre a piscina aterrada, Paulo Roberto Costa disse que a obra foi realizada por conta de não conseguir resolver um problema de vazamento na piscina e que a conta estaria muito cara, segundo o alertou sua esposa. “E essa história de esconder dinheiro é um caso folclórico. Tinha um vazamento crônico e nunca consegui sanar. Então, em 2009 minha esposa me falou: Vamos colocar um jardim aqui em cima, pois não aguento mais pagar a conta de água. Então essa história de dinheiro enterrado é folclore que foi usada mais para frente”.

Imediatamente Marun retrucou o depoente, dizendo: “Folclore é o senhor dizer que com essa dinheirama que recebia de propina, não tinha condições de pagar a conta de água. Esse é o folclore dos folclores. O senhor quer que a gente acredite nisso?”, ironizou.

Irritado o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa mandou que o parlamentar sul-mato-grossense escavasse o lugar. Porém, Marun não admitiu a forma desrespeitosa com a qual foi tratado e pediu respeito. Iniciando assim um bate-boca entre os envolvidos.

Paulo Costa ainda disse que a corrupção dentro da estatal Petrobras é culpa dos “maus políticos”.

 

Comentários

comentários