Ciclista que morreu atropelada por bitrem ficou presa às ferragens por 6 horas

Os bombeiros demoraram 6 horas para conseguir retirar das ferragens o corpo de Nivalda Iora atropelada e morta por um caminhão bitrem quando passava sob o viaduto Elio Rosim, em Chapadão do Sul, cidade a 321 quilômetros de Campo Grande. O acidente aconteceu por volta das 13 horas.

Foram necessários dois guinchos para erguer o vagão do bitrem para retirada do corpo
Foram necessários dois guinchos para erguer o vagão do bitrem para retirada do corpo

Segundo o site Jovemsul News, os peritos (que são baseados em Cassilândia) só chegaram ao local por volta das 19 horas .Nivalda seguia para o trabalho de bicicleta quando foi abalroada pelo bitrem.

Ela ficou embaixo das rodas do último eixo do caminhão e foram necessários dois guinchos para erguer o veículo e os Bombeiros retirarem o corpo, que ficou quase todo dilacerado.

A ciclista, que morava desde 1984 em Chapadão, foi assentada no Projeto Alto Sucuriú. Há 60 dias um dos seus cinco filhos morreu, vítima de câncer na cabeça. Ela deixa os outros quatro filhos e netos. O corpo teve de ser levado para o Instituto Médico Legal de Cassilândia e só será trazido nesta sexta-feira para ser sepultado em Chapadão.

Comentários

comentários