Chuva retorna ao Estado e deve seguir até fevereiro

Após dez dias de estiagem, a chuva voltou a aparecer na Capital sul-mato-grossense e em todo o Estado na tarde de ontem (26) e na madrugada desta quarta-feira (27). Com ventos de mais de 80km/h, árvores caíram em várias regiões de Mato Grosso do Sul.

A chuva caiu com mais intensidade durante a madrugada. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), árvores caíram às margens da BR-262, em Dois Irmãos do Buriti, mas o trecho não chegou a ser interditado. Também há registros de quedas de árvores em Aquidauana e Anastácio.

Na semana passada, durante entrevista ao Página Brazil, o meteorologista Natálio Abrão alertou que as chuvas voltariam a cair no Estado, sendo mais intensas na primeira semana de fevereiro. Ainda de acordo com Natálio, nos primeiros 15 dias de 2016, já choveu mais de 50% das médias esperadas em 57 municípios do Estado.

Chuva deve seguir até fevereiro. Foto: Divulgação/ Notícias MS
Chuva deve seguir até fevereiro. Foto: Divulgação/ Notícias MS

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a previsão é as chuvas continuem em todo o Estado durante o resto da semana. Ainda segundo a previsão, a temperatura mínima em Campo Grande será de 24°C e a máxima de 33°C. No sábado (30), a máxima não deve ultrapassar os 28°C na Capital.

Devido as fortes chuvas que caem no Estado desde o início do mês, 31 municípios de MS já decretaram situação de emergência. Na semana passada, a governadora em exercício, Rose Modesto, visitou Miranda, distrito de Palmeiras, Dois Irmãos do Buriti, Aquidauana e Anastácio, onde distribuiu para as famílias desabrigadas cestas básicas de kits de limpeza e higiene pessoal.

Na manhã de ontem (26), a governadora sobrevoou Taquarussu, Novo Horizonte do Sul e Ivinhema, avaliando os estragos das chuvas.

O Governo do Estado já liberou R$ 29 milhões na semana passada e ontem (25), liberou mais R$ 3 milhões para obras de drenagem de rodovias conforme a solicitação de cada cidade. Recursos junto ao Governo Federal também estão sendo pleiteados pelo estado.

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários