Ceni conduz astros, São Paulo bate o Red Bull e está na semifinal

Goleiro-artilheiro fez duas defesas difíceis e ainda cobrou falta com precisão no primeiro tempo; Depois, coube a Pato e Ganso a tarefa de derrubar de vez a surpresa de Campinas

“Sabe lá” quem será o técnico do São Paulo, mas a verdade é que ele terá vida muito mais fácil do que tinha Muricy Ramalho. “Sabe lá” por que Rogério Ceni é tão iluminado, mas o fato é neste sábado ele superou as falhas da temporada e foi decisivo nos 3 a 0 sobre o forte Red Bull Brasil. “Sabe lá” por que Ganso oscila tanto em campo, mas a atuação no Morumbi prova que ele será importantíssimo na semifinal do Campeonato Paulista, ainda sem adversário definido.

Ceni comemora gol de falta que abriu o placar (Foto: Eduardo Viana / LANCE!Press)
Ceni comemora gol de falta que abriu o placar (Foto: Eduardo Viana / LANCE!Press)

Alejandro Sabella, técnico argentino mais cotado para assumir a vaga deixada por Muricy Ramalho, deve ter se assustado com o primeiro tempo do Tricolor. Da apatia tradicional do ano a erros bisonhos de Denilson, Souza e Rafael Toloi, o time de Milton Cruz assustou a torcida. E a tensão só foi desfeita graças às mãos e aos pés de Rogério Ceni. Com o pé esquerdo defendeu chute à queima-roupa de Lulinha. Com as mãos abafou Edmilson já na marca do pênalti. E com o pé direito…

Pela 127ª vez na carreira, a direita de Ceni encontrou as redes adversárias. Desta vez a vítima foi Juinnho, que aos 44 minutos do primeiro tempo, escondeu-se atrás de barreira gigante e ficou estático quando Ganso se abaixou para o chute baixo do Mito morrer no canto esquerdo. Daí em diante, o São Paulo se transformou em outra equipe.

Vibrante, Ceni agitou os companheiros e membros da comissão técnica na saída para o vestiário. O resultado foi um Tricolor pilhado e letal. Primeiro com a inspiração e a raça de Ganso para brigar com os marcadores e lançar Pato, que com frieza bateu na saída de Juninho aos cinco da etapa final. Depois, com Michel Bastos, garçom pela sexta vez, encontrando Ganso.

O Maestro, que custava a obedecer Muricy, neste sábado chutou de longe, marcou e… Entrou na área! Apareceu como surpresa nas costas do zagueiro e testou firme para mostrar que está acordado, em seu primeiro gol do ano. E sob sua regência, o São Paulo pode ser muito forte na semifinal do Campeonato Paulista e, principalmente, para seguir vivo na Libertadores.

FICHA TÉCNICA SÃO PAULO 3 X 0 RED BULL

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 11 de abril de 2015, ás 18h30 (de Brasília)
Juiz: Marcelo Aparecido de Souza (SP)
Auxiliares: Bruno Rizo (SP) e Tatiane Camargo (SP)
Público/Renda: 18.221 pagantes / R$ 525.090,00
Cartões Amarelos: Souza e Lucão (SAO); Fabiano Eller, Romário, Andrade e Lulinha (RED)

GOLS: Rogério Ceni, aos 44’/1ºT (1-0); Alexandre Pato, aos 5’/2ºT (2-0) e Ganso, aos 17’/2ºT (3-0).

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Hudson, Rafael Toloi, Lucão (Doria, aos 34’/2ºT) e Reinaldo; Denilson, Souza (Rodrigo Caio, aos 27’/2ºT), Wesley, Ganso (Centurion, aos 39’/2ºT) e Michel Bastos; Pato. Técnico: Milton Cruz.

RED BULL: Juninho; Jonas, Anderson Marques, Fabiano Eller e Romário; Andrade (Isac, aos 28’/2ºT), Jocinei e Lulinha; Everton Silva (Carlinhos, aos 16’/2ºT), Marcelo (Allan Dias, aos 11’/2ºT) e Edmílson. Técnico: Maurício Barbieri.

LANCEPRESS!

 

Comentários

comentários