CDL se manifesta contra taxa do lixo e critica duramente propaganda e ‘eternos problemas’ da prefeitura

Lúcio Borges

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Campo Grande se manifestou oficialmente, ontem (18), negativamente sobre taxa do lixo que retorna a partir desta semana, a onerar os comerciantes e contribuintes em geral da Capital. A diretoria da entidade realizou um debate na noite desta quarta-feira, onde também lançou severas criticas, a uma não ‘propicia’ propaganda da prefeitura que exalta mais uma taxação a população. O presidente da entidade, Adelaido Vila, em conjunto com diretoria, redigiu nota e levou a público a indignação deste setor da sociedade campo-grandense.

A nota inicia lembrando que o fato da cobrança, apesar de muito ser recorrido e solicitado em não ser colocada em pratica, entra em vigor nos próximos dias. A administração municipal já fez a distribuição de novos carnes, até rapidamente, com cobrança da taxa do lixo, cujo vencimento já é amanhã, 20 de abril. O documento ressalta ainda, a propaganda da taxa, onde a prefeitura tenta fazer parecer que a mesma é um benefício, e não o que é realmente, “um caro imposto, que onera ainda mais os já tão sacrificados empresários campo-grandenses”, aponta.

A CDl-CG, por meio de sua direção, lembra que os empresários campo-grandenses, assim como todos os campo-grandenses, os brasileiros, já são demasiadamente sacrificados com a carga de impostos. “Pagamos em Campo Grande, um valor altíssimo de IPTU, que, na teoria, deveria contemplar a coleta e tratamento de lixo, assim como iluminação pública, recuperação do asfalto, educação, saúde, entre outras necessidades dos cidadãos”, descreve Vila.

“Mas, Campo Grande parece ser a cidade das exceções. O IPTU cobre as necessidades, exceto a iluminação, a coleta e tratamento de lixo, que os contribuintes devem pagar a parte”, descreve indignado Vila.

Critica a administração pública

A nota da CDL, também pontua as constantes falhas e ou não resolução de ‘velhos problemas’ da administração pública na Capital. A entidade lembra dos altos gastos na prefeitura, que levam a ‘infinita falta de recursos’, que origina a uma maior e novas arredações, como a atual taxação.

“Não há por parte da administração municipal um esforço para diminuir o custo da máquina pública, ao contrário, o que se percebe é que, conforme as despesas crescem, elas são repassadas ao cidadão e empresários, por meio de impostos, de taxas e outras cobranças que oneram ainda mais o custo de vida, física e jurídica”, diz a nota.

Para os empresários, esta forma de gerir é inimaginável, simplesmente transferir para o cliente seu aumento de despesas, sem ao menos tentar reduzi-las é algo impraticável, que no privado pode causar a falência.

Fim expressivo da nota

“Diante deste quadro, e das constantes reclamações de seus associados, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Campo Grande – CDL CG vê com preocupação a cobrança da taxa do lixo e vai buscar o diálogo junto à administração municipal, para que a mesma preste as devidas explicações, além de cobrar soluções para os diversos problemas existentes em Campo Grande, que são de responsabilidade da prefeitura, e que afetam diretamente os lojistas.

A CDL CG exige que cada centavo do imposto pago pelos contribuintes seja usado com responsabilidade, que os problemas sejam resolvidos, sem desculpas, sem transferir a responsabilidade para o cidadão, que Campo Grande, sua população e, especialmente os lojistas que representamos, sejam respeitados”.

Assina – Adelaido Vila – Presidente da CDL e diretoria

Comentários