Caso Kauan: acusado de estuprar e matar garoto de 9 anos será julgado nesta quarta-feira

Redação

Deivid Almeida Lopes se condenado pode pegar 86 anos de cadeia.

Está marcado para esta quarta-feira (13) a a primeira audiência de instrução e julgamento do professor Deivid Almeida Lopes, de 38 anos, acusado de estuprar e matar o menino Kauan, de apenas 9 anos de idade.

A princípio o julgamento estava marcado para o dia 18 de dezembro, mas foi antecipado pelo juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 7ª Vara Criminal de Campo Grande.

Em despacho no dia 17 de novembro, o juiz rejeitou o pedido da defesa, que pediu pela absolvição sumária do professor, e pela rejeição da denúncia, sob o argumento de que inexiste exame de corpo de delito, não havendo assim qualquer prova de materialidade do crime.

Conforme o juiz, “não obstante o corpo da suposta vítima não tenha sido encontrado, não se pode falar em ausência de qualquer prova de materialidade do delito, tendo em vista que foram encontrados no veículo do acusado fios de cabelo e marcas de sangue que podem ser da aludida vítima, estando no aguardo apenas da juntada do laudo acerca do resultado de DNA”.

Segundo o magistrado, “somente durante a instrução criminal será possível se verificar o resultado do exame de DNA e a comprovação ou não de todos os fatos narrados na denúncia, com a consequente absolvição em caso de não restarem demonstrados, sendo precoce a eventual rejeição da denúncia”.

Assim, o juiz rejeitou o pedido da defesa, designando a audiência e ressaltando que haverá a realização de depoimento especial. O caso tem outras nove vítimas além do menino.

O professor é acusado de um estupro de vulnerável com resultado morte, destruição ou ocultação de cadáver e vilipendiar cadáver. Também é acusado de outros dois estupros de vulnerável, quatro estupros, seis induzimentos à prostituição, além de uma contravenção penal de molestar adolescente.

Esses crimes somados, caso comprovados, podem gerar uma pena de pelo menos 86 anos de reclusão.

O Caso

O menino Kauan Andrade Soares do Santos, 9 anos, desaparecido a cerca de um mês, foi abusado até a morte, de acordo com a Polícia Civil de Campo Grande. A criança, conforme a Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), foi violentada por um homem de 38 anos que não teve o nome revelado. Um adolescente de 14 anos participou do crime.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Paulo Sérgio Lauretto, depois de matar a criança, o homem e o adolescente jogaram o corpo no rio Anhanduí. O suspeito foi preso e nega o crime. Ainda conforme a Polícia Civil, ele levava as crianças para casa oferecendo dinheiro em troca de abuso sexual.

Na casa do suspeito foram encontrados vestígios de homicídio e materiais pornográficos envolvendo crianças e adolescentes.

Após ser apreendido, o adolescente de 14 anos confessou  sua participação no crime. Ele será encaminhado para uma Unei (Unidade Educacional de Internação).

O Corpo de Bombeiros realiza buscas no rio Anhanduí, na Capital, após informações de que alguém teria jogado um corpo no rio.

Durante as buscas, um saco preto com cabelo foi encontrado. A perícia deve analisar o material.

Kauan desapareceu depois de sair para brincar no dia 25 de junho. Desde então a família procura por ele em várias regiões da cidade. A família recebeu várias informações sobre possíveis localizações do menino, mas nenhuma se concretizou.

Comentários

comentários