Carreta da Justiça realiza 56 casamentos em Santa Rita do Pardo

Ascom TJ*MS

A Carreta da Justiça esteve nesta semana, de 30 de julho a 3 de agosto, na cidade de Santa Rita do Pardo, levando assistência jurisdicional gratuita para a população. No total, mais de 240 pessoas circularam pela unidade móvel da justiça em busca de uma solução pacífica para suas demandas.

A exemplo de visitas anteriores, o reconhecimento de união estável e sua conversão em casamento foi a ação mais solicitada. A equipe da unidade itinerante, sob o comando do juiz Luiz Felipe Medeiros Vieira, contabilizou 56 atendimentos envolvendo união estável, dois com relação a alimentos, quatro divórcios, uma ação de guarda, quatro cobranças, 25 atendimentos para consultas, orientações e informações gerais, além de 68 novas ações e 24 atendimentos da Defensoria Pública.

Na Carreta da Justiça os serviços oferecidos tratam de assuntos criminais e cíveis, como ações de reconhecimento de união estável ou conversão em casamento, pensão alimentícia, execução de alimentos, conversão de separação judicial em divórcio, divórcio, reconhecimento de paternidade, investigação de paternidade e guarda.

Agenda continua

A próxima comarca a receber a Carreta da Justiça será Selvíria (06/08 a 10/08), depois Taquarussu (20/08 a 24/08), Novo Horizonte do Sul (27 a 31/08), Japorã (17 a 21/09), Juti (24 a 28/09), Douradina (15 a 19/10), Laguna Carapã (22 a 26/10), Vicentina (19 a 23/11) e encerrando os atendimentos em 2018, a Carreta da Justiça estará em Jateí (26 a 30/11).

Podem procurar a equipe que responde pela Carreta pessoas que necessitam de esclarecimentos a respeito de outros serviços prestados pelo Poder Judiciário, bem como agendamentos para os processos que tramitam na comarca sede.

A Carreta faz parte do programa Judiciário em Movimento e tem jurisdição em todo o Estado e competência para apreciar e julgar todas as ações de natureza cível, criminal e juizados especiais distribuídas durante suas jornadas, assim como atuar em mutirões processuais, inclusive em processos do Tribunal do Júri.

Comentários