Carreta da Justiça estará nesta semana em Santa Rita do Pardo abrindo 2º semestre

Lúcio Borges

A ação do TJ-MS (Tribunal de Justiça de MS) por meio da ‘Carreta da Justiça’, irá estar nesta semana, no município de Santa Rita do Pardo. Os trabalhos que já iniciaram na manhã desta segunda-feira (30), levará assistência jurisdicional para a população daquele município que a 244 quilômetros de Campo Grande. O atendimento hoje, inicia a atividade no segundo semestre. Os cidadãos podem procurar os serviços oferecidos na unidade móvel até sexta-feira, 3 de agosto.

Veja abaixo, outras datas de quando haverá o Projeto, onde como agora, os serviços oferecidos pelo Poder Judiciário na Carreta tratam de assuntos criminais e cíveis, como ações de reconhecimento de união estável ou conversão em casamento, pensão alimentícia, execução de alimentos, conversão de separação judicial em divórcio, divórcio, reconhecimento de paternidade, investigação de paternidade e guarda.

Além disso, a unidade móvel disponibiliza esclarecimentos a respeito de outros serviços prestados pelo Poder Judiciário, bem como agendamentos já realizados para os processos que tramitam na comarca sede.

A Carreta faz parte do programa Judiciário em Movimento e tem jurisdição em todo o Estado e competência para apreciar e julgar todas as ações de natureza cível, criminal e juizados especiais distribuídas durante suas jornadas, assim como atuar em mutirões processuais, inclusive em processos do Tribunal do Júri.

Calendário

 A próxima comarca a receber a Carreta da Justiça será Selvíria (06/08 a 10/08), depois Taquarussu (20/08 a 24/08), Novo Horizonte do Sul (27/08 a 31/08), Japorã (17/09 a 21/09), Juti (24/09 a 28/09), Douradina (15/09 a 19/10), Laguna Carapã (12/10 a 16/10), Vicentina (19/11 a 23/11) e encerrando os atendimentos em 2018, a Carreta da Justiça estará em Jateí (26/11 a 30/11).

Desde agosto de 2016, com o lançamento do programa “Judiciário em Movimento”, que tornou 100% dos municípios de MS sedes de comarcas, a população sul-mato-grossense vive uma nova realidade quanto ao Poder Judiciário.

Comentários