Capital registra 33% de ‘não voto’ no segundo turno com abstenção em recorde

urnaO número de “não voto” em nenhum dos dois candidatos neste segundo turno em Campo Grande, foi recorde e em grande proporção. O total chegou a 33,3% entre abstenções, brancos e nulos. A abstenção foi a que mais cresceu nesta segunda etapa, com 132,8 mil eleitores ausentes, totalizando 22,32% ante os 19,2% no primeiro turno. Ainda assim, o presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), desembargador Divoncir Schreiner Maran, até se disse surpreso por esperar que o total de faltosos fosse maior. Ele revelou que o número ficou como o projetado pela própria Justiça Eleitoral.

Os eleitores campo-grandenses que não compareceram às urnas neste domingo (30), em relação ao primeiro turno, aumentou em 18.579 não votantes. Este número, mostra um acréscimo de 16,25% ante ao total do último dia 2 de outubro, onde a abstenção foi de 19,20%, totalizando 114.286 eleitores que deixaram de comparecer às urnas na Capital.

A candidatura de Marquinhos Trad (PSD) obteve nas urnas 241.876 votos, o que corresponde a 58,77% dos votos válidos. Rose Modesto (PSDB), por outro lado, obteve 169.660 votos, 41,23% dos votos válidos.

Pelos números do eleitores que ainda foram até a urna, mas votaram em brancos e nulos somaram 10,98%. Divididos a marca ficou em 13.995 votos nulos (3.03%) e 36.776 (7,95%). Vale lembrar que este votos, como as abstenções não são somada ou computados como votos. Assim, o percentual só considera os “Votos Válidos” diretos dos candidatos.

Poderia ter sido maior

O presidente do TRE, questionado sobre o alto índice, ainda avaliou que foi abaixo e que esperava quantidade maior de faltas, devido aos feriados e pela atual situação politico eleitoral da cidade e mesmo do País como um todo. “Fizemos o calculo e pontuamos neste percentual e acertamos diante a média até de outras eleições, como agentes da Justiça. Mas, como cidadãos, seres humanos diante do quadro atual, esperávamos até mais e pouco alto. Pelas diversas razões, simples do ponto facultativo de sexta-feira (28) pelo Dia do Servidor Público e pela proximidade do Dia de Finados, celebrado no dia 2, como principalmente pelos acontecimentos que leva ou levou a crescer o alto desinteresse atual pelo processo eleitoral”, avaliou desembargador Divoncir Schreiner, que completou apontando positivamente que os números de abstenções deste domingo não surpreenderam.

O juiz eleitoral David de Oliveira, também confirmou que este resultado já era esperado, pois historicamente a participação dos eleitores no segundo turno é menor do que no primeiro. “Nas duas últimas eleições, em 2014 e 2012, os segundos turnos também coincidiram com feriado prolongado do Dia do Funcionário Público e, nos dois casos, o número de faltosos foi bem maior em relação ao primeiro.

Em 2012, o primeiro turno teve abstenção de 16,50% (92.671 eleitores). Já na segunda etapa, quando a disputa foi entre Alcides Bernal (PP) e Edson Giroto, o índice aumentou para 18,93% (104.066 eleitores). Já em 2014, na disputa pelo governo do Estado, o cenário se repetiu, impulsionado por um feriadão em 28 de outubro. Na primeira etapa do processo eleitoral, a abstenção foi de 20,53%, ou seja, 373.191 eleitores não compareceram às urnas no Estado.

Comentários

comentários