Campo Grande Na Tela: Produções locais dão espaço à atores e atrizes sul-mato-grossenses

Lúcio Borges

Escola Nagib Raslan, que já recebeu uma edição da Mostra

Mostrar Campo Grande através do cinema feito por cineastas locais é o objetivo principal do projeto “Campo Grande Na Tela”, desenvolvido pela produtora Marruá Arte e Cultura, que se iniciou no mês passado e vem acontecendo duas ou três vezes ao mês até junho. Conforme o Página Brazil vem noticiando desde seu anuncio, o projeto passaria por 10 instituições de ensino, entre escolas e universidade, com exibição do cinema local, bem como, por meio dele, os estudantes também conheceriam os produtores e atores que participam dessas produções na telona e em debates que acontecem depois das exibições.

O projeto chega a sua quarta mostra, na tarde desta segunda-feira (23) e noite da terça-feira (24), exibindo filmes na UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), para apresentar essas obras aos alunos do curso de Artes Cênicas e a quem mais estiver interessado em participar.

Serão exibidos os curtas: Glauces, de Joel Pizzini; Estação, de Aurélio Marques; Memórias de Luz, de Farid Fahed; Tia Eva, de Vânia Duarte; Nova Lima Mil Pecados, de Ivair Dantas; Cortes, de Roberto Leite; A Outra Margem e De Tanto Olhar o Céu Gastei Meus Olhos, de Nathalia Tereza; Marco Aurélio, de Ivan Molina Velasquez; Preto e Branco, de André Knoner; Conceição dos Bugres, de Cândido Alberto da Fonseca; Enterro, de Fábio Flecha; e A TV Está Ligada, de Essi Rafael.

Rodrigo Camargo

Após as exibições, as 16 horas, de hoje, e as 19 horas de manhã, acontece a roda de conversa sobre como é fazer cinema em Campo Grande. No primeiro dia participam o ator Pepa Quadrini e Rodrigo Camargo, roteirista e músico. Na terça é a vez da diretora de arte Maíra Espíndola e da produtora Tania Sozza conversarem com os alunos.

Campo Grande tem cinema

Para o ator Bruno Moser, que está presente em alguns dos curtas exibidos pelo “Campo Grande Na Tela”, o projeto cumpre duas funções: ajudar na divulgação dos produtos audiovisuais da Capital e associar a difusão deste material dentro de instituições de ensino para que os estudantes saibam que existe filmes sendo feito aqui. “Assim podem se reconhecer, seja a partir da história contada ou através dos personagens e dos lugares mostrados. Eles acabam criando uma visão do que é cultura em Mato Grosso do Sul e de quebra inspira novas gerações de atores e produtores culturais”, acredita ele que esteve na primeira mostra na Escola Municipal Arlindo Lima.

O ator Espedito Di Montebranco, convidado para participar do debate na terceira mostra na Escola Municipal Hércules Maymone, também acha importante estar frente a frente com os alunos.

“É sempre um prazer estar dentro das escolas, é como plantar sementes. Olhando nos olhos dos alunos você percebe, mesmo não sabendo o que eles serão daqui 10 anos, que um ou outro tem um brilho no olhar que o levará para a cultura. Isso me alegra muito e dá mais vontade de fazer o que faço”, afirma.

Em Maio

A próxima instituição a receber o projeto será a Escola Municipal Consuleza Margarida Maksoud Trad, que fica no bairro Estrela Dalva. Por lá a mostra acontece no dia 3 de maio, às 9h e dia 4 de maio às 15h.

Acompanhe a programação através das redes sociais do Projeto: https://www.instagram.com/marrua.arte.cultura/ ou https://www.facebook.com/Marrua.Arte.Cultura/

Veja o que Página Brazil já acompanhou

Escola do Nova Lima recebe 2ª edição do ‘Campo Grande Na Tela’ com o cinema regional

‘CG na Tela’ inicia com 320 estudantes descobrindo e se surpreendendo com filme da cidade 

Começa hoje projeto que promoverá cinema da Capital a estudantes em 10 unidades escolares

Projeto promoverá cinema Campo-grandense com estudantes em 10 locais

Comentários