Campanha Guerra ao Aedes aegypti termina com visitas a 127,7 mil casas e 7,1 mil empresas

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Com equipes atuando na orientação sobre como eliminar o mosquito Aedes aegypti desde o dia 21 de dezembro de 2015 em Campo Grande, a Campanha Guerra ao Mosquito, uma iniciativa da Fiems e Sesi com o apoio da TV Morena e DGPC (Delegacia Geral da Polícia Civil) para disseminar informações de conscientização da população sobre as formas de combate ao vetor da dengue, febre chikungunya e zika vírus, terminou os trabalhos, nesta sexta-feira (05), com a realização de uma blitz com distribuição de panfletos para os pedestres e adesivagem de veículos no centro de Campo Grande (MS), entre a Avenida Afonso Pena e a Rua Bahia.

Nos 47 dias de campanha, as equipes conseguiram atingir 127.775 domicílios e 7.168 empresas, totalizando 482.443 pessoas nos bairros Nova Lima, Mata do Segredo, Coronel Antonino, Monte Castelo, Vila Jacy, Taquarussu, Guanandi, Caiçara, Oliveira I, II e III, Bom Jardim, União, Caiobá, Leblon, Tijuca, Batistão, Coophavila, Tarumã, Aero Rancho, Noroeste, Veranei, Panorama, Maria Pedrossian, Oiti, Estrela Dalva, Novos Estados, Vila Nascente, Jockey Club, Jardim América, Carvalho, Piratininga, Jardim Paulista, TV Morena, Vilas Boas, Tiradentes, Carlota, Dr. Albuquerque, Rita Vieira, Itamaracá, Universitário, Pioneiros e Alves Pereira.

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou a importância do trabalho incessante na luta contra os focos do Aedes aegypti em Campo Grande. “A campanha conseguiu atingir números expressivos em várias regiões da cidade”, pontou. Já o superintendente do Sesi, Bergson Amarilla, ressaltou que a campanha intensificou as informações sobre os cuidados básicos para acabar com os focos e que agora não falta conhecimento, mas é preciso colocar em prática a ação continuamente. “O que falta é a ação que começa dentro de casa, porque esse combate é de todos nós. Temos que trabalhar no sentido de cooperação”, afirmou, acrescentando que a campanha contou com uma unidade móvel do Sesi, seis automóveis, um carro de som e 30 agentes contratados, promovendo caminhada com panfletagem e realização de visitas domiciliares.

Na ação desta sexta-feira, a empresária Lúcia Martins, 46 anos, aderiu à campanha e colou adesivo para ajudar na conscientização. “As pessoas têm se prevenido, mas não estão preparadas para o perigo. É sempre importante reforçar todos os cuidados, porque já virou alerta mundial”, comentou. O estagiário Gabriel Santos, 21 anos, também passou pela rua e deixou a equipe colocar um adesivo no seu automóvel. “Vejo que as pessoas não têm dado a devida atenção para o problema, mas o cuidado depende da ação de cada um”, comentou. Já a dona de casa Bárbara Feliciano, 43 anos, reforça que é preciso combater o mosquito. “Estou há pouco tempo morando na cidade, mas já ouvi falar de muitos casos, então temos que prevenir”, afirmou.

Comentários

comentários