Camisa de Paolo Guerrero já é a mais procurada no Flamengo

Paolo Guerrero virou febre entre os torcedores do Flamengo. O atacante peruano é uma referência antes mesmo da apresentação ao clube e responsável direto pelo crescimento na venda de camisas oficiais. O modelo de número 9 lidera com folga a preferência entre os flamenguistas.

Seis mil exemplares foram comercializados em junho nas 56 lojas do clube espalhadas pelo Brasil e com coordenação do executivo Marcelo Plaisant. Pelo menos 3.000 terminaram personalizadas com número e nome do novo atacante. Guerrero responde atualmente por metade das vendas de camisas oficiais.

Guerrero é o novo reforço do Flamengo para a temporada - Foto: Divulgação / Flamengo
Guerrero é o novo reforço do Flamengo para a temporada – Foto: Divulgação / Flamengo

A intensa procura esgota com frequência a possibilidade de personalizar o uniforme nas lojas. Faltam estampas do número 9 e da letra “R”.

“Ficamos uns cinco dias sem a letra ‘R’ para colocar nas camisas. Fizemos uma programação, mas o Guerrero é uma máquina de venda. Ele ainda possui três letras iguais no nome [risos]. Nunca se colocou tanto ‘R’ e o número 9 nas camisas do Flamengo”, afirmouPlaisant.

A chegada de Guerrero e o lançamento da linha Adidas fizeram as lojas superarem o momento complicado do mercado. Ao contrário da maioria do comércio, o segmento destinado aos rubro-negros teve um crescimento de 20% na primeira quinzena de junho.

“Houve um aumento considerável nos últimos dias. Remamos contra a maré. Pelo menos 50% das camisas saem com o nome do Guerrero. Calculo na casa de três mil modelos comercializados até o momento apenas com o número 9”, contou o coordenador das lojas.

Guerrero se transformou em febre rubro-negra e já ganhou a companhia de Emerson Sheik nas vitrines. O ataque ainda não entrou em campo, mas promete ser um sucesso de venda. Agora, a torcida é para que o peruano brilhe na Gávea e se mantenha em alta pelas ruas do país.

“A empolgação inicial é natural, embora seja surpreendente no caso do Guerrero. Mas ele precisa mostrar trabalho quando vestir a camisa. Se jogar bem, as vendas só crescerão. No mínimo, o nível será mantido”, encerrou Marcelo Plaisant.

Folha.com

Comentários

comentários