Caminhoneiros entram em greve contra aumentos

Da Redação/JN

Lideranças de caminhoneiros autônomos e de empresas de transporte decidiram paralisar as atividades no dia 1º de agosto, onde os caminhões ficarão estacionados nas garagens e pátios como forma de protesto pelo aumento dos combustíveis.

Em 2015 os motoristas paralisaram as atividades em todo o país – Foto: Arquivo/Dourados News

Na quinta-feira, 20, o governo anunciou que iria mais que dobrar o PIS/Cofins para gasolina e aumentar o do diesel em 86%, passando de R$ 0,248 para R$ 0,4615 por litro para gerar receitas extras de R$ 10,4 bilhões e evitar que o rombo das contas públicas passe do limite de R$ 139 bilhões.

Após o aumento anunciado pelo presidente Michel Temer (PMDB), que em seu pronunciamento afirmou que os brasileiros iriam entender, os caminhoneiros descontentes com a medida começaram a unir forças para uma nova greve.

De acordo com o sindicato da categiria, a reivindicação é pela baixa do diesel e o reajuste do valor dos fretes, defasado há cinco anos, além da redução da carga tributária.

O aumento, neste momento, vem ainda agravar a situação do Setor de Transporte Rodoviário de Cargas, que foi um dos mais impactados pela crise econômica. Segundo dados do IBGE, em 2016 o setor registrou queda de 7% no volume de serviços acumulado no ano.

Comentários