Câmara recorre ao MPE contra agilidade e serviços atuais de Bernal

Presidente da Câmara fez anuncio oficial hoje
Presidente da Câmara fez anuncio oficial hoje

A atuação politico da Câmara de Vereadores de Campo Grande no longínquo embate com o prefeito Alcides Bernal, chega agora em ação eleitoral contra o mesmo, candidato a reeleição. O Legislativo está denunciando e pede ao MPE (Ministério Publico Estadual) que investigue o chefe do executivo por “abuso de poder” e ataques do prefeito a adversário políticos. A investigação foi aberta ontem (5), mas publicada no sábado pelo MPE. A ação vem diante a participação de servidores comissionados e acima de tudo na “aplicação” somente agora em período eleitoral, de trabalho da atual gestão. Ações expandidas ou mesmo iniciado a pouco tempo ante a inexistência das mesmas até o ‘mês passado’, apontou o presidente da Casa de Leis, João Rocha (PSDB), que assinou ofício com as denuncias em nome da Câmara.

Rocha encaminhou pedido à promotora eleitoral Renata Ruth Fernandes Marinho, denunciando os fatos e que ele denominou nesta terça-feira (6), em coletiva a imprensa, achar no mínimo “estranho” a atual agilidade da prefeitura de Campo Grande para manter a cidade e serviços que até poucas semanas atrás estavam abandonados. Bem como, o presidente apontou que a Casa não tem competência para julgar, mas deve fiscalizar e ou denunciar tais situações. Assim, se fez o pedido enviado ao MPE, no que teria levado a presidência da Câmara a denunciar o prefeito Bernal, que é candidato a reeleição pelo PP.

“Entramos com ação ou pedido de alguma ação, para em nossa área de competência barrar a continuidade ou evitar situação que possa trazer privilégio a qualquer segmento. Além de cuidarmos que não se infrinja a legislação. Agora, não é competência nossa de apurar, julgar, mas de no minimo denunciar o que tem sido feito de última hora. Pois, além de termo o conhecimento ou ter passado todo o tempo pedindo atuação da prefeitura e não sermos se quer ouvidos e agora vemos uma agilidade estranha e repentinamente apareceu serviços, patrulhamento das ruas, troca de lampadas e etc, que não havia. Assim, até recursos também apareceu, para quem vivia lamentando e dizendo que não tinha nenhum dinheiro”, resumiu Rocha.

A reportagem do Página Brazil perguntou a Rocha, se não “seria normal” que atos administrativos sempre seriam questionado a quem busca uma reeleição, bem como não seria ‘dois pesos e duas medidas’, pois os próprios parlamentares na sessão de hoje, solicitaram muitos dos serviços relacionados, como de ‘ultima hora’. Ele foi enfático em dizer que não ou que mesmo que a situação da prefeitura estivesse normal, também não concordaria. “Bernal tem usado a máquina pública para obter vantagens na eleição. A manutenção de sua casa, tem que ser a mesma, e agora é estranho, aparece celeridade. Faz depois de tanto tempo, somente agora, o que deveria ser rotina. O volume aumentou de uma hora para outra. A Justiça Eleitoral tem que verificar e mesmo nós, pois isto de uma forma ou de outra, representaria uma disparidade democrática, em vantagem do prefeito frente aos outros candidatos”, apontou.

Alto promoção

O vereador citou ainda, o caso de jornal feito pela empresa das assessoras de Bernal na prefeitura e entregue pela equipe da administração. A publicação exaltava os feitos do prefeito nos últimos meses à frente da cidade.

“Ainda estão fazendo a propaganda, que de última hora, ele está fazendo pintura de rua, patrolamento, anunciando troca de lampada de LED, trazendo empresas de outros estados e entregando uniforme escolar. Causa estranheza porque teve longo período para tomar providência e está tomando agora, no afogadilho. Por que não fez antes?”, ratificou Rocha.

O agora processo investigatório no MPE, está em sigilo e a assessoria de imprensa do prefeito ainda não se manifestou sobre o caso.

Comentários

comentários