Câmara finalmente decide amanhã se cassa mandato de Maluf

Lúcio Borges com Agência Brasil

Paulo Maluf deixa hospital no DF (Foto: Reprodução/TV Globo)

O futuro político do deputado afastado Paulo Maluf (PP-SP), em prisão domiciliar, deve ser decido até está quarta-feira (22). O parlamentar além de estar há meses condenado e preso, apesar de em casa, não podendo ir ao ‘trabalho’ no Legislativo Federal, mas continua no mandato/cargo dando despesas aos cofres públicos. Como ainda, o parlamento está sem um membro e não pode convocar o suplente. O paulista prometia até renunciar, a alguns dias atrás, para não perder os direitos políticos, apesar da avançada idade e se dizendo doente, por isso requereu e conseguiu a prisão no domicilio.

Caso não renuncie, entre hoje e amanhã cedo, já está marcada para amanhã (22), às 11 horas, a já tardia decisão. A ação deve ocorrer na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em uma reunião da Mesa Diretora da Casa, na qual, segundo o corregedor-geral da Câmara, deputado Evandro Gussi (PV-SP), “de uma maneira ou de outra, com renúncia ou sem renúncia, a Câmara decidirá sobre a situação de Maluf”, apontou.

Apesar de há uma semana o advogado do parlamentar, Antônio Carlos de Almeida Castro, ter dito que Maluf poderia renunciar ao mandato, nesta terça-feira (21), procurado pela Agência Brasil, ele disse que ainda aguarda o ex-prefeito de São Paulo se manifestar. Com a cassação iminente, Maluf tem sido aconselhado a renunciar para evitar mais desgaste. “Como é uma questão personalista, não falei com ele hoje e não vou pressionar, ele vai me dar uma resposta quando tiver”, disse o advogado.

Histórico

Em maio do ano passado, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou Maluf a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão por lavagem de dinheiro e determinou que a Mesa Diretora da Câmara decretasse a perda do mandato.

A decisão ainda não foi tomada porque um grupo defende que o plenário deve decidir sobre a cassação e não a Mesa da Casa. Outro grupo entende que a Câmara está descumprindo a determinação judicial.

O deputado Paulo Maluf ficou preso entre dezembro e março no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, mas ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar devido a “graves problemas de saúde”, conforme alegou sua defesa em recurso aceito pelo ministro do STF Dias Toffoli.

Aos 86 anos de idade, o ex-prefeito de São Paulo está com problemas cardíacos, ortopédicos, além de câncer de próstata e diabetes.

Comentários