Câmara Comunitária começou nesta quarta-feira no Serradinho

O inicio do Projeto Câmara Comunitária, da nova gestão do Legislativo de Campo Grande, ocorreu na manhã desta quarta-feira(16), no interior da escola municipal Sebastião Lima do bairro Serradinho, região oeste da Capital. O projeto foi aberto pelo presidente da Casa de Leis, vereador João Rocha (PSDB), que fez uma apresentação explicativa da ação. A participação popular na escola teve a presença dos professores e servidores da unidade, e moradores da comunidade. A ação foi anunciada e deverá ocorrer toda as quartas-feira, em um ou vários bairros simultaneamente.

O presidente mencionou que a ação é para ser ” em movimento ” com os vereadores andando no bairro e ouvindo o morador e vendo cada situação. “É para cada vereador sentir e ver a seu modo, a importância, primeiramente do contato de corpo da instituição, mas ao mesmo tempo fazendo a sua avaliação e posterior aplicar seu modo de fazer o mandato. Vamos andar dentro das escolas,  ceinfs e nas ruas para este contato”, disse Rocha.

Foto Lúcio Borges

Foto Lúcio Borges

Rocha ressaltou que o Projeto se difere das sessões comunitárias que ocorriam nos anos anteriores. “É para ser dinâmica, a equipe de servidores já estará no local com apoio legislativo, jurídico e chegamos e fazemos algum tempo de reunião. Mas após seguimos para a proposta de liberdade de movimento, sem formalidades, sem discursos. É para circular na escola, ir para ‘rua’. Vamos registrar oficialmente, em fotos, videos e documentos, e cada vereador a seu modo”, explicou.

O chefe do Legislativo explicou também que o Câmara Comunitária irá ocorrer uma vez por semana em um ou vários bairros simultaneamente, sendo feito com todos ou em grupos de parlamentares. “Toda quarta-feira estabelecemos para estar nos bairros com a sessão em ação, como já detalhamos. Mas que a cada quarta, em todas ou parte delas, o projeto será realizado em um bairro ou em dois, três ao mesmo tempo. Poderemos estar todos juntos ou dependendo da região, ser feito grupo de vereadores, ir por comissão para realizar o Projeto. É uma forma de desenvolvermos ainda mais as Comissões permanentes da Casa e estabelecer prioridades anteriores já, pois em um bairro precisa da Comissão de Saúde e em outro lugar, outra comissão”, detalhou Rocha.

Com isso, segundo o vereador, além de caminhar e ir levantar problemas nos bairros, algumas edições já terão ações em escolas, levando temas de relevância como educação política e o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, por exemplo. “Acredito que dessa forma podemos formar cidadãos mais conscientes e críticos, principalmente sobre a importância do voto de cada um”, completa.

Lúcio Borges

Comentários

comentários