Câmara aprova Processante contra prefeito

A abertura da Comissão Processante contra o prefeito Gilmar Olarte (PP), foi aprovada hoje na Câmara Municipal de Campo Grande pelo placar de 29 votos a zero, por um único item: denúncia de corrupção passiva e lavagem de dinheiro feita pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). Ontem, ele virou réu após a Seção Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) aceitar a denúncia.

Veraedores aprovaram por unânimidade abertura sde Comissão Processante
Vereadores aprovaram por unanimidade abertura se Comissão Processante

O líder do prefeito, Edil Albuquerque (PMDB), afirmou que o próprio Olarte pediu para que fosse aberta a comissão para que ele pudesse responder aos questionamentos dos vereadores.

Os suplentes que votaram no lugar dos vereadores que fizeram o requerimento, Aldo Donizete substitui Luiza Ribeiro (PPS), Roberto Durães entrou no lugar de Thaís Helena (PT), além de Élbio dos Santos que assume vaga de Marcos Alex (PT)., também votaram a favor a abertura da Comissão.

O plenário da Câmara está totalmente lotado desde a abertura das portas, por volta das 9 horas, mais de 400 pessoas ocuparam o plenário e o clima é de tensão desde o início da sessão. A todo momento, grupos pró e contra Olarte vaiam os vereadores.

AFASTAMENTO

Em relação ao afastamento do prefeito Gilmar Olarte depois de se tornar réu em processo do Tribunal de Justiça, o presidente da Casa, Mario Cesar, afirmou que a procuradoria jurídica da Câmara tem o prazo de cinco dias para analisar requerimento de afastamento feito pela vereadora Luiza Ribeiro (PPS), na manhã de hoje.

Com 17 votos à favor e 11 contra, os vereadores decidiram julgar de forma fracionada os requerimentos de abertura de comissão processante para julgar, por improbidade administrativa, o prefeito Gilmar Olarte (PP).

Assim, os vereadores passam a defender, um a um, item por item, as justificativas pessoais para seus posicionamentos, sobre as acusações de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e quebra de decoro que recaem sobre o prefeito.

As explanações dos vereadores antecederão a votação sobre a abertura da comissão, o que deve estender à sessão indefinidamente.

Comentários

comentários