Câmara aprova maior inclusão aos portadores de Down na Capital

CamaraO Dia Internacional da Síndrome de Down, celebrado todo 21 de março, foi marcado com uma caminhada realizada no centro de Campo Grande na segunda-feira e ontem (22) na Câmara Municipal da Capital. Os vereadores tiveram a presença de alunos e um pronunciamento de uma representante da Escola Juliano Varela, como ainda anunciaram a aprovação de dois Projetos de Lei que visam dar maior inclusão aos portadores de Down no município. As propostas atingem o estimo e realização de convívio, em formações psico-social e no mercado de trabalho.

A data foi instituída há uma década pela Down Syndrome International, sendo comemorada desde 2006. A caminhada pela inclusão, teve por objetivo a luta pela inclusão social e pela visibilidade da causa. “A escolha dessa data não foi aleatória. Isso faz alusão à trissomia do cromossomo 21, alteração genética que funda a síndrome. Durante a divisão embrionária, em vez de dois cromossomos no par 21, as pessoas com a síndrome possuem três”, explica Glauciane Santana, presidente da Associação Síndrome de Down.

Glauciane ressalta ainda que “a ciência não tem explicação porque que isso acontece. O que se sabe é que esse excesso de material genético determina algumas características da síndrome como os olhos oblíquos, o comprometimento intelectual e uma diminuição no tônus muscular”, lembra.

Os PLs aprovados na sessão desta terça-feira, são dois importantes projetos que visam estimular o trabalho e o desenvolvimento pessoal e profissional dos portadores de Síndrome de Down.

Descritivos

O projeto de Lei 8.238/16, de autoria dos vereadores Vanderlei Cabeludo e Carla Stephanini, institui o programa “Down Eficiente” no município de Campo Grande, abrangendo os órgãos públicos municipais, empresas privadas e profissionais liberais. Em seu artigo terceiro, o projeto prevê que em conjunto com os órgãos competentes por ele indicados, poderão inclusive oferecer oficinas de aprimoramento profissional, com a participação de assistentes sociais.

No Projeto de Resolução 2971/16, a Câmara Municipal cria o seu próprio programa no mesmo sentido, fazendo a inclusão dos portadores da Síndrome de Down através do estímulo ao trabalho e parcerias/convênios com entidades públicas e privadas. O programa será constituído por alunos que estejam matriculados no ensino fundamental.

Matéria: Lúcio Borges

Comentários

comentários