Câmara abre processo disciplinar para investigar 'mão-boba'

A Comissão de Ética da Câmara de Vereadores de Dourados vai investigar a suposta passada de mão do vereador Maurício Lemes nas nádegas da também vereadora Virginia Magrini (PP).

Virginia diz que foi apalpada nas nádegas pelo vereador Maurício; ele diz que a cutucou nas costas Foto: Montagem
Virginia diz que foi apalpada nas nádegas pelo vereador Maurício; ele diz que a cutucou nas costas
Foto: Montagem

Na sessão ordinária na noite desta segunda-feira, a Câmara aprovou abertura do processo disciplinar contra Maurício Lemes, após denúncia de Virgínia Magrini (PP) por importunação ofensiva ao pudor.

Ela procurou a delegacia da mulher semana passada para denunciar a ‘mão-boba’ ocorrida ao final da sessão solene, quando os vereadores se posicionaram para tirar foto. Virginia diz que foi apalpada por Maurício duas vezes. A denúncia também foi protocolada na Câmara Municipal.

O processo administrativo para apurar o caso contou com a aprovação de 15 vereadores, exceto Nelson Sudário (PSC) e Délia Razuk (PMDB), que faltaram na sessão. Maurício Lemes, acusado, não teve direito ao voto, bem como Idenor Machado (DEM), por presidir a sessão na Câmara.

A partir de agora Maurício tem prazo de cinco dias para apresentar defesa. A Comissão de Ética é presidida pelo vereador Marcelo Mourão (PSD) e tem ainda os vereadores Juarez de Oliveira e Pastor Cirilo na comissão. O parecer final sai em 90 dias.

Durante sessão na noite desta segunda-feira, Virginia usou a tribuna para expor o caso e mostrar sua indignação. Ela disse que jamais faria uma denúncia se não tivesse certeza. “Tenho todas as provas necessárias e vou até o fim. Me senti um lixo, humilhada, e não sou eu que tenho que ter vergonha desse ato”, afirmou.

Maurício nega que tenha apalpado Virginia nas nádegas, declara que apenas a cutucou nas costas e que tudo não passa de um mal entendido.

Com Infrormações Dourados Agora

Comentários

comentários