Caiado defende renúncia coletiva de Dilma e do Congresso e novas eleições gerais

Durante convenção dos Democratas de Mato Grosso do Sul, que ocorreu na manhã neste sábado (28), no plenário da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, o senador Ronaldo Caiado DEM-GO) disse que o Brasil não suporta mais populistas, demagogos e corruptos.

Caiado com o deputado Mandetta, que foi reconduzido ao cargo de presidente do DEM em MS
Caiado com o deputado Mandetta, que foi reconduzido ao cargo de presidente do DEM em MS

“Se a presidente Dilma [Rousseff] tiver o mínimo de espírito republicano deveria tomar a atitude de deixar o cargo”, diz. “Não se pode aceitar que para se manter no poder, se afunde o país”, emendou o senador.

Caiado que é líder da bancada do Democratas no Congresso Nacional, voltou a defender a polêmica proposta apresentada por ele nesta semana pela renúncia coletiva da presidente da República e dos integrantes do Congresso Nacional e pela convocação de novas eleições, antecipando o pleito de 2018.

“A credibilidade da classe política está perto do zero e precisamos dar a população o direito de tentar de novo.” A proposta foi apresentada após o Senado manter a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), na última quarta-feira, de manter o senador petista Delcídio do Amaral preso.

O democrata ainda referiu-se à crise política em Mato Grosso do Sul, em particular, em Campo Grande: “E o problema não é só federal. A coisa aqui também está feia”, referindo-se veladamente à crise política, administrativa e financeira de Campo Grande.

A convenção regional do partido Democratas de Mato Grosso do Sul reconduziu à presidência regional do DEM, Deputado Federal Luiz Henrique Mandetta.

O evento contou ainda com a presença do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), da senadora Ana Amélia (PP-RS), com o deputado Zé Teixeira (DEM), do vereador Aírton Saraiva (DEM) e do presidente estadual do PTB, Nelson Trad Filho.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários