Brasileira luta por netas após morte de filhas no Japão

Ex-companheiro de Akemy é suspeito do crime. As duas mulheres teriam sido estranguladas e apartamento incendiado. Homem está preso.

Muitos brasileiros buscam trabalho, melhores condições para os filhos e um futuro na província de Aichi, região central do Japão. Não era diferente para Akemy e Michelle Maruyama. As filhas de dona Maria nasceram em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, e foram tentar a sorte no Japão há mais de 10 anos.

As duas mulheres teriam sido estranguladas e apartamento incendiado. Homem está preso.
As duas mulheres teriam sido estranguladas e apartamento incendiado. Homem está preso.

Michelle e Akemy tiveram os corpos queimados num incêndio em 30 de dezembro. E, para os peritos, não foi um acidente. Exames feitos pelo legistas revelaram que elas não morreram vítimas do fogo, nem da fumaça. Elas teriam sido estranguladas um dia antes do incêndio acontecer. O fogo teria servido para apagar possíveis marcas deixadas por quem cometeu o crime. Dentro do apartamento foi encontrado um galão de gasolina. A suspeita do incêndio recaiu sobre o ex-companheiro de Akemy, Edgard Anthony la Rosa.

Dona Maria conta que Akemy nunca foi a delegacia prestar queixa, mas que segundo a filha, ele tinha um lado violento e não aceitava o fim do romance. Akemy e Edgard tiveram duas filhas, hoje com 5 e 3 anos. E agora, ela luta para ficar com a guarda das netas. (G1)

Comentários

comentários