Brasil voltará a ter ‘presidenta’

Reuters / SF

A presidente do Supremo Tribunal Federal ( STF ), Cármen Lúcia , assumirá a Presidência da República pela primeira vez por pouco mais de 24 horas a partir da próxima sexta-feira. O motivo é a viagem do presidente Michel Temer para a Cúpula das Américas, e de viagens dos segundo e terceiro na linha de sucessão, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Maia (MDB-CE).

Cármen é a terceira na linha de sucessão e com a falta de um vice-presidente  assumirá pela primeira vez o cargo. Foto: Adriano Machado / Reuters

Candidatos nas eleições deste ano, Maia e Eunício ficariam, pela lei, inelegíveis se assumissem a Presidência mesmo que por poucas horas. Maia é, por enquanto, pré-candidato à Presidência, e Eunício quer se reeleger ao Senado.

“Na sexta-feira teremos uma presidente mulher no país”, disse o vice-líder do governo na Câmara, Darcísio Perondi, ao sair de uma reunião no Planalto nesta segunda-feira.

Para evitarem assumir o cargo, ambos programaram viagens para o mesmo dia, já que, pela lei, não basta declinar de assumir a Presidência. Rodrigo Maia irá para o Panamá na quinta-feira, voltando no Domingo, e Eunício, para o Japão, onde viaja na sexta e volta no dia 22 de abril.

Outra alternativa seria que ambos pedissem licença dos cargos por alguns dias. Essa foi a estratégia usada pelos então presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (MDB-RN), e do Senado Renan Calheiros (MDB-AL), nas eleições de 2014.

Ambos eram candidatos e se licenciaram dos cargos quando a ex-presidente Dilma Rousseff foi aos Estados Unidos, e o então vice, Michel Temer, tinha uma viagem ao Uruguai.

Na ocasião, o presidente do STF era Ricardo Lewandowski, que assumiu o cargo por dois dias.

Temer viaja para Lima, onde participará da Cúpula das Américas, na sexta pela manhã, e deve estar de volta ao Brasil na noite de sábado.

Comentários