Brasil sofre com quedas e fica em sétimo no Mundial de Ginástica

Gazeta Esportiva.com

Foi por pouco, mas o Brasil não conseguiu uma inédita vaga no top5 por equipes do Mundial de Ginástica realizado em Doha, no Catar. Nesta segunda-feira, o quinteto brasileiro formado por Arthur Zanetti, Arthur Nory, Lucas Bittencourt, Caio Souza e Francisco Barreto até começou bem, mas sofreu com quedas na reta final e encerrou a participação na sétima colocação, com a nota de 243,944. Os resultados, de maneira geral, ainda acabaram inferiores ao dos Jogos Olímpicos e do Mundial de 2014, com um sexto lugar.

Grandes favoritos, os chineses ficaram com o lugar mais alto do pódio, seguido pelo time russo, que não conseguiu quebrar o domínio asiático que já dura quase 20 anos. Atuais campeões olímpicos, os japoneses ficaram com o bronze. Os três primeiros confirmaram a classificação para as Olimpíadas de Tóquio, em 2020.

Time brasileiro terminou em sétimo no Mundial de Doha (Foto: Abelardo Mendes Jr/rededoesporte.gov)

O primeiro aparelho do Brasil foi justamente um dos que o time desempenha melhor: as argolas. Quem abriu foi Caio Souza, com uma nota de 14,200. Zanetti teve uma saída cravada e igualou os 15,033 conquistados na classificatória, enquanto Lucas tirou 13,666. No fim, a equipe conseguiu 42,899 e ficou atrás apenas da Rússia na classificação, que conseguiu 43,199 no solo.

Depois, os brasileiros foram rumo ao salto, considerado outro ponto forte. Nory abriu a série e conseguiu 14,233. Finalista do aparelho em Doha, Caio teve problemas com sua tripla pirueta e tirou 14,191, enquanto Zanetti, que por pouco não caiu, terminou com 13,633. Com 42,057, o time seguiu sonhando com o título, ainda mais com os problemas dos russos no cavalo, que depois se desenhou o “trauma” do Brasil.

Grande surpresa da classificatória, as paralelas não foram, nem de longe, o ponto do equilíbrio do Brasil na final, principalmente com a queda de Caio e o desequilíbrio de Lucas. Como consequência, a equipe despencou na classificação e foi para o oitavo lugar. Na barra, foram bons desempenhos de Caio, Nory e Chico, que levaram a equipe brasileira para a quinta colocação.

No solo, Zanetti conseguiu abrir bem a contagem, que teve seu nível ainda mais elevado com Nory, que cravou 14,166, e o bom desempenho de Caio, com 13,900. No fim, com 41,932 pontos, o Brasil acabou sendo ultrapassado pela Grã-Bretanha. No cavalo com alças, prova final, Lucas abriu a participação, mas caiu assim como Arthur Nory. Apesar da atuação limpa de Chico, a queda na classificação foi fatal para o sétimo lugar.

Mesmo após o resultado desta segunda, o Mundial segue nesta terça-feira com a final feminina por equipes, em que o Brasil será representado. Na quarta, acontece a final do individual geral masculino, com Cazio Souza, e no dia seguinte a prova feminina, em que Flavia Saraiva e Jade Barbosa competem. Nos últimos três dias, serão realizadas as finais por aparelhos.

Comentários