Brasil começa com o pé direito no Mundial Sub-21 de vôlei de praia

Gazeta Esportiva.com

As notícias são boas para o Brasil: são três vitórias em quatro jogos na estreia da fase de grupos do Campeonato Mundial Sub-21 de vôlei de praia, disputado em Udonthani, na Tailândia. No masculino, Rafael e Renato (PB) terminaram o dia invictos com dois triunfos, enquanto, entre as mulheres, Vitoria/Victoria (RJ/MS) venceu o único jogo disputado, e Thamela/Ingridh (ES/PR) acabou superada, mas segue na disputa. Todos voltam à quadra nesta quinta-feira.

Renato e Rafael celebram ponto durante triunfo na fase de grupos (Divulgação/FIVB)

Rafael e Renato encaram os chilenos Iglesias e Droguett na madrugada desta quinta-feira, à 00h40 (de Brasília), valendo a primeira colocação do grupo B. Em caso de vitória, o time avança direto para as oitavas de final, evitando a disputa da repescagem. Já Vitoria e Victoria enfrentam as polonesas Herrmann/Stadnik às 23h de Brasília) desta quarta e, depois, as marroquinas Debbab e Maroua. A dupla Thamela/Ingridh enfrentará as alemãs Svenja Muller/Sarah Schulz, à 1h30 (de Brasília), e horas depois as espanholas Daniela Alvarez e Maria Carro.

Na fase de grupos, os times jogam entre si, com os primeiros de cada chave indo direto às oitavas de final, enquanto segundos e terceiros colocados disputam uma rodada eliminatória anterior, da repescagem. A competição segue em formato eliminatório com quartas de final, semifinais e disputas de bronze e ouro.

Na última edição do torneio, em 2017, o Brasil foi campeão nos dois naipes, com Adrielson/Renato (PR/PB) e Duda/Ana Patrícia (SE/MG). O Brasil é o país com mais conquistas, tendo vencido 14 títulos, sendo seis no masculino e oito no feminino, e também o único país que conseguiu um bicampeonato nos dois naipes.

Masculino – Rafael e Renato superaram os russos Shekunov/Veretiuk por 2 sets a 0 (21/15, 21/16), em apenas 31 minutos de partida, para, horas depois, passarem pelos noruegueses Karl Mosvold e Asmund Sunde, também por 2 sets a 0 (21/15, 21/12), em 31 minutos. O técnico da seleção brasileira de base masculina, Robson Xavier, analisou o bom início.

“Tivemos na estreia um time forte, que veio do classificatório, que foram os russos. Eles são os atuais campeões mundiais sub-19. Estreamos bem, apesar da tensão da estreia, de ser o primeiro mundial de base do Rafael, ele foi muito bem, controlou bem o emocional. Foram muito eficientes no conjunto saque-bloqueio. Conseguimos desenvolver nosso melhor jogo, ter muito volume”, avaliou.

Ele também falou sobre a partida contra a Noruega e da confiança adquirida com os resultados. “Na sequência, encaramos um time bem aplicado, mas de um nível técnico um pouco abaixo dos russos, com um pouco menos de experiência. Foi uma partida um pouco mais tranquila, os meninos estavam mais soltos, fluiu bem. São vitórias boas para ganharmos uma confiança no campeonato e buscar o primeiro lugar do grupo. O Chile faz um trabalho muito bom, com uma seleção permanente, o torneio está em nível muito alto, vamos trabalhar para que possamos seguir desempenhando bom papel”, completou.

Victoria comemora ponto com Vitoria no Mundial Sub-21 (Divulgação/FIVB)

Feminino – No naipe feminino, cada dupla disputou apenas uma rodada. Vitoria e Victoria começaram superando as russas Frolova/Ganenko em uma verdadeira batalha de 1h04, por 2 sets a 1 e parciais de 34/32, 25/27, 15/12. Elas agora encaram as polonesas Herrmann/Stadnik às 23h desta quarta – manhã de quinta na Tailândia. Horas depois elas enfrentarão as marroquinas Debbab e Maroua, às 3h10 (de Brasília) da madrugada desta quinta. Vitoria comentou a estreia.

Thamela e Ingridh, que avançaram ao torneio principal após superarem três adversárias no classificatório, acabaram superadas na estreia da chave E. Elas foram vencidas pelas italianas Reka Orsi Toth/Chiara They por 2 sets a 0, com parciais de 21/12 e 21/19, em 32 minutos. O time segue com chances de avançar e encara na madrugada desta quinta as alemãs Svenja Muller/Sarah Schulz, à 1h30 (de Brasília), e horas depois as espanholas Daniela Alvarez e Maria Carro.

Comentários