Bovespa fecha em alta pelo 3º dia e renova maior patamar desde 2012

O principal índice da Bovespa fechou em alta nesta terça-feira (24), avançando pelo 3º pregão seguido, renovando o nível mais alto em quase cinco anos na véspera. A alta teve suporte em ganhos de ações atreladas a commodities, principalmente as da Vale e da Petrobras.

O Ibovespa subiu 0,14%, a 65.840 pontos, renovando o patamar mais alto em quase cinco anos. A última vez que a bolsa paulista fechou acima deste nível foi no dia 27 de março de 2012, aos 66.037 pontos.

As ações da Vale subiram mais de 2%, figurando entre as maiores altas do Ibovespa depois de alcançarem na véspera as máximas de fechamento desde fevereiro e novembro de 2013, respectivamente.

A mineradora reagiu positivamente ao avanço dos preços do minério de ferro, que subiram na China com expectativa de demanda depois do feriado do Ano Novo Lunar, que fechará os mercados por uma semana a partir de sexta-feira.

As ações preferenciais da Petrobras também subiram, espelhando a alta do preço do petróleo, que subiu com evidências de aperto de oferta no mercado global. Ainda no radar esteve a notícia de que a estatal aumentou para US$ 6 bilhões o limite da oferta de recompra de títulos com vencimento entre janeiro de 2019 e março de 2020, de US$ 4 bilhões anteriormente, destaca a Reuters.

Na outra ponta, BM&FBovespa ON caiu mais de 2%, em sessão mais negativa para o setor financeiro. As ações dos bancos do Brasil e Santander caíram, enquanto Itaú Unibanco e Bradesco fecharam em alta.

Operadores citaram a realização de lucros (venda de ações que subiram) na sessão desta terça, em razão do feriado local do aniversário de São Paulo, na quarta-feira, segundo o “Valor Online”.

O analista Raphael Figueredo, da Clear Corretora, disse à Reuters que o potencial de alta da Bovespa não se esgotou, ainda que um movimento de correção não possa ser descartado. “A bolsa está mudando de patamar e ninguém quer perder, por isso vemos essa correria, esse ritmo de euforia, de rali”, acrescentou.

Com Informações do G1

Comentários