Bolsonaro tenta esclarecer afirmação sobre Holocausto

Presidente diz que interpretações errôneas só interessariam a quem deseja afastá-lo ‘dos amigos judeus’

O presidente Jair Bolsonaro enviou no sábado 13 uma carta às autoridades de Israel com o objetivo de esclarecer sua declaração sobre o Holocausto. No documento, ele afirma que as interpretações errôneas só interessariam a quem deseja afastá-lo “dos amigos judeus”.

Presidente Jair Bolsonaro e primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reúnem em dezembro, no Rio de Janeiro 28/12/2018 Fernando Frazao/Cortesia da Agência Brasil/Divulgação via REUTERS

A carta foi enviada após o presidente de Israel, Reuven Rivlin, dizer no sábado no Twitter que “nem líderes partidários ou primeiros-ministros vão perdoar, nem esquecer”, em uma crítica à declaração de Bolsonaro, durante encontro com evangélicos no Rio de Janeiro na quinta-feira, de que “nós podemos perdoar, mas não podemos esquecer” o extermínio em massa de judeus durante a 2.ª Guerra. O Museu do Holocausto disse que “ninguém está em posição de determinar se os crimes do Holocausto podem ser perdoados”.

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) usou sua conta no Twitter neste domingo, 14, para esclarecer a mensagem do pai. Ele publicou a foto de uma página em branco em que consta uma frase escrita à mão e assinada pelo presidente: “Quem esquece seu passado está condenado a não ter futuro”. Segundo Carlos, a foto foi tirada pelo embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley. Também no Twitter, ele atacou a mídia ao dizer que a verdadeira mensagem deixada por seu pai no Museu do Holocausto “você não verá na imprensa desinformada”.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui