Bolsonaro sobe para 32%, atesta pesquisa do Datafolha

UOL/JN

Candidato do PT, Haddad tem 21% da preferência do eleitorado

Jair Bolsonaro (PSL) tem 32% das intenções de voto para a Presidência da República, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (02).

Ele subiu quatro pontos percentuais em relação ao levantamento divulgado na última sexta-feira (28).

Bolsonaro tem 32% da preferência (Foto: Divulgação )

Fernando Haddad (PT) caiu de 22% para 21% no mesmo período e viu sua taxa de rejeição subir nove pontos percentuais.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. A pesquisa foi contratada pela Folha de São Paulo e foram ouvidos 3.240 eleitores em 225 municípios nesta terça-feira (02).

Os dados confirmam o movimento de crescimento de Bolsonaro e estagnação de Haddad captado na pesquisa Ibope divulgada ontem.

Ciro Gomes (PDT) manteve os 11% de intenção de voto e está tecnicamente empatado com Geraldo Alckmin (PSDB), que foi de 10% para 9%. Marina Silva (Rede) caiu de 5% para 4%.

João Amoêdo (Novo) segue com 3% enquanto Henrique Meirelles (MDB) e Álvaro Dias (Podemos) mantiveram o patamar de 2% das intenções de voto cada um.

Segundo turno

A simulação de um eventual segundo turno mostra os líderes empatados dentro da margem de erro, mas com movimento inverso: Bolsonaro foi de 39% para 44% enquanto Haddad foi de 45% para 42%.

Veja as simulações:

Bolsonaro 44% X 42% Haddad (brancos e nulos: 12%)

Ciro 46% X 42% Bolsonaro (brancos e nulos: 10%)

Ciro 42% X 37% Alckmin (brancos e nulos: 19%)

Ciro 46% X 32% Haddad (brancos e nulos: 20%)

Alckmin 43% x 41% Bolsonaro (brancos e nulos: 14%)

Alckmin 43% x 36% Haddad (brancos e nulos: 19%)

E veja a evolução das taxas de rejeição desde a última pesquisa:

Aqui, os eleitores apontam em quem não votam de jeito nenhum e podem indicar mais de um nome; por isso, a soma das taxas pode superar 100%.

Jair Bolsonaro: de 46% para 45%

Fernando Haddad: de 32% para 41%

Marina Silva: de 28% para 30%

Geraldo Alckmin: segue em 24%

Ciro Gomes: de 21% para 22%

Comentários